Busca

Vatican News
Guillermo Esteban, conhecido como Grilex Guillermo Esteban, conhecido como Grilex  A história

Duvidava d'Ele, suportou a prova e transformou o seu rap

Estava revoltado com Deus e lhe declarou “guerra” com canções ofensivas. Mas no seu caminho de rejeição aconteceu algo surpreendente: Deus falou-lhe através das pessoas e isso rompeu todos seus esquemas

Mireia Bonilla – Cidade do Vaticano

Define-se um “rapper cristão”. Guillermo Esteban, um jovem de 25 anos de Madri, conhecido pelo seu nome artístico “Grilex”, hoje usa o rap como um meio para comunicar às novas gerações os valores de Jesus. Mas não foi sempre assim.

Tudo começou quando Guillermo tinha 17 anos e junto com a sua família tiveram que enfrentar a doença de seu irmão menor, que os médicos davam poucas possibilidades de sobrevivência. Pressões e sofrimentos tomaram conta do rapaz, que encontrou no rap um modo de se refugiar: “Uma noite comecei a escrever uma canção para meu irmão e me dei conta que toda aquela pressão que tinha dentro de mim estava diminuindo”, nos conta o jovem de Madri.

Da fama à solidão: “É culpa de Deus”

Em poucos meses aquela música viralizou nas redes e a fama bateu em sua porta. Guillermo começou a ser conhecido pelo grande público e isso lhe causou uma sensação de poder e superioridade. Um poder que começou a desviar seu modo correto de viver: “Tornei-me agressivo com as pessoas que estavam perto de mim, justamente porque – admite –me sentia superior aos outros”. Pouco a pouco a fama começou a envenená-lo e acabou ficando sozinho e culpando Deus pela sua solidão, um pensamento que ainda hoje lhe traz tristeza nos olhos.

Sozinho, cheio de raiva e dor por dentro. Foi nestas condições que Guillermo estabeleceu o seu primeiro diálogo com o Senhor, declarando-lhe todo o seu destacamento da fé: “Não sei se tu existes ou não, mas como estou sozinho, tu não me amas. Se existes venho até ti, e se não existes venho do mesmo modo para te dizer palavras de ódio a todos os cristãos”.

Guillermo Esteban em um dos seus primeiros shows
Guillermo Esteban em um dos seus primeiros shows

Deus lhe falava através das pessoas

Esta dinâmica de ódio, era canalizada nas letras de suas canções que o levavam cada vez mais longe da fé, mas também da sua família. Foi então que o jovem espanhol sentiu o primeiro chamado do Senhor através de sua mãe, que um dia convidou-o para ir à Missa com ela para poderem passar um pouco de tempo juntos, abraçados.

Inicialmente Guillermo recusou, mas as mães não se rendem facilmente a um “não”. No coração do jovem abriu-se uma brecha. Aceitou o convite mas com uma condição: “Quando sairmos da Missa – disse de modo imperativo à mãe – não quero mais saber de ti e nem da Igreja”.

Assim Guillermo chegou à porta da paróquia com sua mãe e logo que desceu do carro uma jovem se aproximou dele e disse de modo expansivo gritando “Grilex!”. Era uma fã, que além de querer cumprimentar o “famoso rapper” fez-lhe uma proposta: convidou-o para uma “ceia Alpha”. É uma daquelas ceias nas quais através de debates o Kerigma é anunciado de modo inovador, um método de evangelização. Guillermo não conhece aquele tipo de ceia, e não se interessa por isso. A beleza da jovem e a vontade de revê-la são mais do que suficientes para aceitar o convite.

Grilex com sua mãe
Grilex com sua mãe

Do fechamento em si mesmo ao servir os outros

As ceias tornam-se mais de uma e no entanto Guillermo continua sua vida, a propor-se ao público com a imagem de “rapper popular” que lhe dá muita satisfação e encontra muitos consensos. Ao mesmo tempo, pouco a pouco, o Senhor aproxima-se dele. Fizeram-lhe a proposta de voluntariado e o jovem aceitou – mesmo fazendo com atitude de superioridade de quem se crê sempre o melhor. Mas eis que acontece a surpresa. O coração de Guillermo conhece um outro momento de abertura, “encontra Deus nas pessoas”, e se dá conta que não foi tanto ele a ajudar-lhes mas que foi muito ajudado por eles. Apesar desta experiência continua com o seu comportamento habitual. Guillermo volta ao mundo do espetáculo e alguns meses depois publica uma canção na qual ofende e despreza uma jovem. Desta vez Deus se aproxima através de uma amiga, que define seu último lançamento rap “um lixo”. “Aquela opinião tão forte e franca, me abriu os olhos e me fez voltar à realidade”, revela o jovem rapper. Que acrescenta com um sorriso: “Adoro como Deus fala de forma sempre diferente às pessoas”.

Guillermo com outros voluntários
Guillermo com outros voluntários

Abertura do coração. Deus rompe todos os esquemas

Para Guillermo o processo de conversão inicia enfrentando seus medos. Seu primeiro passo é abrir o seu coração e se dar conta que Deus não era como lhe tinha sido ensinado. Não era um juiz, impassível, pronto a punir se alguém comete um pecado. Com o passar do tempo e tendo cada vez mais contatos com Ele, Guillermo adverte de modo sincero e com o coração aberto que “é um Deus que ama, é um Deus que perdoa, é um Deus que está próximo, é um Deus que se doa”. E só o fato de começar a sentir isso rompe todos seus esquemas.

Pouco a pouco Guillermo se apaixonou por Deus, mas foi a participação a alguns encontros, chamados “convivências” que lhe marcam um antes e um depois. Durante estas convivências o impacto com o Senhor é tão forte que chega a pensar: “Toda a minha vida sem Ele não tem sentido”. Deus estava tocando-o há tempos, mas desta vez tocou-o profundamente e o jovem rapper entende que Deus não funciona como uma varinha mágica, que sendo tocado uma vez fica curado e a tua vida se torna perfeita. Foi neste ponto que Guillermo compreendeu que a vida de fé é um caminho no qual a cruz deve ser levada consigo.

Guillermo em um encontro de oração
Guillermo em um encontro de oração

O poder torna-se um dom

Guillermo sai desta convivência com uma convicção: iniciar a fazer algo com a música rap, com este dom que não via mais como um instrumento de poder sobre os outros, mas um modo para ajudar as pessoas. Começa a escrever canções inspiradas no Evangelho. “O que procuro transmitir com este rap – diz – são os valores de Jesus. E assim, pouco a pouco, posso ajudar as pessoas que talvez se sintam vazias, insignificantes, com muitas feridas por dentro”.

Depois de vários anos passados escrevendo músicas ofensivas, os encontros com o Senhor provocam uma virada total na letra de suas músicas. Hoje Guillermo escreve para Deus e prova uma forte sensação quando o faz. Percebe-se que o protagonista de tudo isso é o Espírito Santo. Agora tem as ideias claras: quer transmitir a mensagem de Jesus Cristo às novas gerações, porque para Guillermo o rap, afirma, é um meio “formidável” para a Evangelização.

Guillermo cantando no Multifestival Laudato Si’
Guillermo cantando no Multifestival Laudato Si’

O poder curativo de Padre Pio curou seu irmão

Foras das telecâmaras, Guillermo abre-se conosco e nos fala de seu irmão e do seu atual estado de saúde: “Embora tenha algumas pequenas dificuldades, meu irmão está bem, tem uma vida normal e estuda na Universidade”. Mas o mais surpreendente é quando o jovem indica Padre Pio como o autor do melhoramento do seu irmão. Guillermo conta que embora estivesse muito doente, foi depois de sua família recebeu uma relíquia de Padre Pio que seu irmão começou a melhorar.

 

 

27 novembro 2019, 08:00