Busca

Vatican News
A representação indígena na Amazônia A representação indígena na Amazônia  (AFP or licensors)

A Amazônia como sétimo continente da Terra?

“Amazon Rainforest. Amazônia: o sétimo continente” é o título do mais recente livro de Hércules Góes que está sendo lançado na Europa. Segundo o autor brasileiro, a ideia de propor o sétimo continente político é “inovadora para discussão acadêmica, sem a quebra da soberania dos 9 países que compõem a Amazônia”, mas para uso didático nas escolas.

Cidade do Vaticano

O brasileiro Hércules Góes, jornalista, advogado e mestre em Direito Ambiental Internacional pela Universidade Católica de Santos é autor de 14 livros sobre a Amazônia. A mais recente obra “Amazon Rainforest. Amazônia: o sétimo continente” já foi editada em português, inglês e espanhol e está sendo promovida na Europa: o brasileiro já passou pela Espanha, agora está na Itália e depois parte para Portugal. Segundo Hércules, parte da verba arrecadada com a venda do livro será destinada à preservação das florestas de Rondônia.

O brasileiro conhece a Amazônia por dentro: Hércules tem 65 anos de idade, sendo 35 deles vividos em Rondônia, Acre, Roraima e Amapá. O livro, “que é de história e jornalismo”, usa personagens para contextualizar a realidade nos 9 países da Amazônia, uma região que, como afirma Hércules, é “planetária, mas com as soberanias que devem ser respeitadas”.

“ É uma questão difícil de juntar se colocar na questão da soberania, porque os 9 países são soberanos. Agora você pode geograficamente e didaticamente delimitar e enquadrar a Amazônia como o sétimo continente – e essa é a minha tese – porque eu estou pensando nas crianças, é uma questão escolar. ”

A criação do livro

“Amazon Rainforest. Amazônia: o sétimo continente” nasceu de um projeto há 5 anos. O brasileiro acredita que seu livro veio “juntar as forças” junto à Encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco, “uma obra-prima da humanidade que pensa 100 anos a frente”, e o Sínodo dos Bispos dedicado à Amazônia. Hércules afirma:

“É uma tese científica. A gente prova que a região amazônica, pela grandeza dela e a sua biodiversidade, teria um continente à parte: seria o sétimo continente. Somos 9 países na pan-amazônica e o Brasil é o maior com 60% da sua extensão territorial. Não queremos mexer com a soberania de ninguém e de nenhum país, mas é possível compatibilizar e harmonizar as comunidades indígenas. É um discurso muito importante esse que o Papa lança da ecologia integral que é algo que junta as pessoas de todas as matizes: quilombolas, ribeirinhos, e o indígenas têm uma participação muito importante porque são os nossos ancestrais. A ideia da ecologia integral do Papa Francisco é fenomenal. O Papa Francisco é inovador, é progressista, é revolucionário fazendo revolução no século 21.”

O jornalista brasileiro com a sua obra
O jornalista brasileiro com a sua obra
23 outubro 2019, 13:29