Cerca

Vatican News
Burkina Faso Burkina Faso  (AFP or licensors)

Burkina Faso: milhares de deslocados vítimas de violências

A ONU e a Cruz Vermelha lançam alarme para milhares de pessoas deslocadas em Burkina Faso, vítimas de violências de grupos armados jihadistas que espalham terror no norte e nordeste do país

Cidade do Vaticano

Pelo menos 300 mil pessoas tiveram que deixar suas casas em Burkina Faso para viver em centros de acolhida e mais de 500 mil perderam o direito a assistência médica gratuita depois dos ataques armados dos grupos jihadistas. O alarme foi lançado nesta terça-feira (10/09) pela ONU e pela Cruz Vermelha Internacional.

Ouça e compartilhe!

O número de deslocados triplicou

“Ataques armados e insegurança continuam a atingir Burkina Faso nas regiões do nordeste do país, provocando deslocamentos forçados de milhares de pessoas”, confirmou o Escritório das Nações Unidas para Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), especificando que atualmente “quase 289.000 deslocados vivem em centros de acolhida ou nos centros para refugiados nordeste e do Sahel”, e aumenta cada vez mais o número de deslocados que buscam refúgio nos centros urbanos como Djibo e Dori (no Sahel) e Kaya (no norte)”. O maior problema é a falta de comida, dos meios de subsistência e dos serviços de base que está se tornando cada vez mais difícil tanto para a comunidade de deslocados como para os que recebem estas pessoas, adverte a agência da ONU. Desde o início do ano o número de deslocados já triplicou, segundo a agência OCHA.

Sem atendimento médico

Também nesta terça-feira (10/09), o Comitê Internacional da Cruz Vermelha lançou um alarme sobre a difícil situação sanitária em Burkina, afirmando que “500 mil pessoas perderam o direito ao atendimento médico nos últimos seis meses” por causa da violência armada. Apenas em agosto, 125 centros ambulatoriais foram destruídos, destes 60 fecharam, enquanto que 65 são operativos apenas parcialmente. Deve-se considerar também que muitos agentes de saúde foram obrigados a deixar as zonas rurais atingidas pela violência armada. Todavia uma das maiores preocupações é a carestia e a desnutrição, consequência direta também das violências. Pelo menos 1, 2 milhões de pessoas vivem em condições de insegurança alimentar, sublinha a Cruz Vermelha que comunica que distribuiu no primeiro semestre deste ano, comida para 22 mil deslocados e deu assistência médica a 21 mil pessoas.

A causa é a violência

Burkina Faso é um dos países mais pobres da África Ocidental e está envolvido em uma profunda crise de violência que se arrasta há quatro anos e meio, atribuída a grupos armados jihadistas, alguns filiados ao Al Qaeda e outros ao suposto Estado Islâmico. Desde o início de 2015, os ataques jihadistas, cada vez mais frequentes e mortais, principalmente no norte e nordeste do país, causaram mais de 570 mortes. A violência dos grupos islamistas aumentou nos últimos meses, com centenas de mortes desde o início deste ano e mais de 150 mil deslocados por causa dos ataques. Em dezembro do ano passado as autoridades burkinabé declararam estado de emergência em várias regiões setentrionais, dando maiores poderes às forças de segurança para fazer buscas nas casas e controlar o deslocamento das pessoas.

11 setembro 2019, 14:02