Busca

Vatican News
Esta pode ser uma das semanas mais quentes do verão na Itália Esta pode ser uma das semanas mais quentes do verão na Itália  (AFP or licensors)

Alerta de calor na Itália e o apelo para não deixar idosos sozinhos em casa

Especialistas em meteorologia afirmam que esta pode ser uma das semanas mais quentes do verão na Itália, chegando inclusive a bater temperatura recorde, não registrada há mais de 150 anos. Quem mais sofre neste período são os idosos, pelo perigo à saúde e somado à solidão.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

Ouça a reportagem e compartilhe

A comunidade cristã de Sant’Egidio, uma rede italiana de fraternidade e empenho voluntário pelos pobres e pela paz, presente em mais de 70 países, faz um apelo neste início de verão na Itália: unindo-se ao convite do Papa Francisco contra o abandono, de que não deixemos os idosos sozinhos em casa. Para esta semana, os institutos de meteorologia alertam para ondas de calor que podem superar os 40°C, chegando inclusive a bater recorde com temperaturas não registradas há mais de 150 anos.

O calor em Roma
O calor em Roma
O calor em Roma
O calor em Roma

Alerta duplo: pela saúde e solidão

Com temperaturas extremas naquela estação que já foi anunciada como uma das mais quentes do verão na Itália, mas também em outros países da Europa, como na França e na Espanha, o perigo atinge principalmente uma grande parte da população - aquela idosa. Em especial, porém, aqueles que permanecem as férias na cidade: primeiro, porque as altas temperaturas constituem um perigo para a saúde de quem tem mais idade e, segundo, quando nessa situação se soma à solidão.

Basta uma visita ou telefonema para salvar vidas

Como o próprio Papa Francisco alertou no último domingo (23) visitando uma paróquia na periferia de Roma, está em aumento o número de pessoas que vivem sozinhas, sobretudo nos grandes centros urbanos. O Pontífice renovou o convite já feito dias atrás para estarmos próximos “a tantos idosos que vivem como se estivessem escondidos, esquecidos, negligenciados”: às vezes bastaria uma visita ou um telefonema para salvar uma vida. São gestos concretos, que todos podem fazer.

A Comunidade de Sant’Egidio também acredita que é indispensável criar uma rede para tutelar as pessoas mais frágeis durante o verão, mas, sobretudo, protegê-las do isolamento social que é a principal causa da maior mortalidade dos idosos nos meses quentes, além de ser fator de risco durante o ano inteiro. O apelo dos voluntários aos cidadãos é para que notemos os idosos que vivem ao nosso lado, a começar pelos vizinhos de casa.

25 junho 2019, 16:27