Busca

Vatican News
Lugar do acidente com o avião da Ethiopian Airlines Lugar do acidente com o avião da Ethiopian Airlines   (AFP or licensors)

Acidente aéreo na Etiópia: 157 mortos

Grave acidente aéreo nesta manhã em Addis Ababa. Um Boeing 737 caiu após a decolagem. 157 as vítimas, entre elas 7 cidadãos britânicos e 8 italianos, três voluntários de uma onlus, organização sem fins lucrativos e o famoso arqueólogo Sebastiano Tusa.

Silvonei José - Cidade do Vaticano

Pouco depois da decolagem do aeroporto de Addis Ababa, na Etiópia, o comandante do Boeing 737 do voo da Ethiopian Airlines para Nairóbi, no Quênia, solicitaara poder retornar devido a algumas dificuldades encontradas. A empresa anunciou que o avião havia sido entregue em novembro de 2018 e nunca teve problemas.

Muitos estrangeiros a bordo do voo

O voo durou apenas 6 minutos e depois para os 157 passageiros a bordo - 8 tripulantes e outras 149 pessoas - não havia mais nada a fazer: o avião caiu às 8h44 locais, perto da cidade de Bishoftu, sudeste da capital etíope. Oito italianos perderam a vida, entre eles três voluntários, dois homens e uma mulher, pertencentes a uma organização sem fins lucrativos de Bergamo. Sebastiano Tusa, arqueólogo de renome internacional, assessor para os Bens Culturais da região italiana da Sicília também perdeu a vida.

A empresa Ethiopian Airlines confirmou horas depois que não havia sobreviventes na tragédia com o voo ET302, e disse que entre os mortos há 32 quenianos, 18 canadenses, 9 etíopes, 8 italianos, 8 chineses, 8 norte-americanos, 7 britânicos, 7 franceses, 6 egípcios e 2 espanhóis.

Pêsames do primeiro-ministro etíope

O primeiro-ministro de Etiópia, Abiy Ahmed, enviou suas condolências por meio de sua conta no Twitter. "O escritório do primeiro-ministro, em nome do Governo e do povo de Etiópia, quer expressar suas mais profundas condolências às famílias que perderam seus seres queridos no Ethiopian Airlines Boeing 737 em voo para Nairóbi, Quênia, nesta manhã", escreveu.

10 março 2019, 17:06