Cerca

Vatican News
Associações acolhem apelo de Francisco de “quem bater vai encontrar abertas as nossas portas” Associações acolhem apelo de Francisco de “quem bater vai encontrar abertas as nossas portas”  (@L'Osservatore Romano)

Frio na Itália: acolher sem-tetos em resposta ao apelo do Papa

A onda de frio deixou a Itália gelada nestes dias e quem mais sofre são os moradores de rua. São mais de 50 mil desabrigados no país. Paróquias abrem as portas, unidades móveis recolhem os sem-tetos para dar comida, coberta e o calor de uma estrutura, numa grande rede cristã e voluntária em prol de quem mais precisa.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

A onda de frio proveniente do norte da Europa deixou a Itália gelada nesta sexta-feira (4), com temperaturas negativas até as primeiras horas da manhã e com máxima de 7°C durante o dia, valores abaixo da média inclusive neste período de inverno. A neve, segundo os sites especializados em meteorologia, é a grande protagonista da jornada.

Junto com o frio, porém, vem a emergência pelos mais necessitados, sem casa para se proteger e comida para se esquentar. Na Itália são mais de 50 mil os desabrigados. Em Roma e Milão duas pessoas morreram no início da onda de frio.

Papa: portas abertas para quem precisa

Partindo do simples apelo do Papa Francisco de “quem bater vai encontrar abertas as nossas portas”, a Confederação Nacional das Misericórdias – uma das maiores e mais antigas entidades da Itália no âmbito do voluntariado – já ativou as “Unidades de Rua” para ajudar quem não tem casa para se abrigar nas noites frias de inverno. São verdadeiras equipes de Irmãs e Irmãos que, em acordo com os serviços sociais das cidades, ajudam os moradores de rua com comida, bebida quente e cobertas.

Apelo urgente por doação

A comunidade cristã de Santo Egídio, uma rede presente nas periferias de mais de 70 países, convida a população a não ficar indiferente às vítimas do frio e lança um apelo urgente: doar cobertas, toucas de lã, sacos de pele e outros gêneros de conforto úteis para enfrentar o gelo noturno ou ainda se juntar aos voluntários que já fazem as visitas itinerantes aos moradores de rua. “É um gesto que não ajuda somente a salvar quem está em perigo, mas contribui a humanizar as nossas cidades”, descreve o apelo da comunidade romana.

Salão paroquial aberto aos moradores de rua

Muitas instituições e associações estão abrindo suas portas para amenizar a precária situação dos desabrigados neste período de inverno. A paróquia de São José, na cidade de Grosseto, região da Toscana, nesta quinta-feira (3) à noite abriu um serviço de acolhimento extraordinário. Com o apoio da Caritas e do governo local, o salão paroquial recebeu 20 pessoas das 20h às 8h, com acesso livre.

Em Livorno, uma rede de associações, entre elas a comunidade Santo Egídio e Caritas, usam um sistema de chat interna para coordenar e monitorar a situação vivida pelos moradores de rua em tempo real, oferecendo lugares para dormir.

A resposta dada em Firenze é a duplicação das unidades de rua, trabalhando todas as noites da semana, que acolhem os moradores de rua durante o período de frio mais intenso. O governo local, com a gestão da Caritas e desde o início de dezembro de 2018, recebe quem decide fugir do frio e se refugiar no calor das estruturas.

04 janeiro 2019, 10:44