Cerca

Vatican News
Migrante hondurenha com sua filha na fronteira Migrante hondurenha com sua filha na fronteira  

Restrições americanas pioram a crise dos migrantes no México

O responsável pela organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) no México fala sobre a crise humanitária que está acontecendo no país e sobre a necessidade de medidas urgentes para ajudar os migrantes que aguardam asilo nos Estados Unidos

Cidade do Vaticano

A organização Médicos sem Fronteiras,  que há seis anos oferece cuidados médicos aos migrantes ao longo da rota mexicana, através do seu responsável no México Sergio Martìn, fez uma declaração sobre a situação dos migrantes que se encontram à espera do visto para entrar nos Estados Unidos. 

Ouça e compartilhe

“Piora a situações dos migrantes provenientes da América Central que se encontram na fronteira dos Estados Unidos. As causas são as políticas em curso e as propostas para reduzir drasticamente a possibilidade de pedir asilo, assim como a relutância do governo na organização das pessoas nos pontos de entrada ao longo da fronteira Estados Unidos e México. Motivos pelos quais os migrantes ficam expostos a ulteriores violências”. 

A ajuda dos Médicos sem Fronteira

No México, Médicos Sem Fronteiras fornece assistência humanitária a pessoas que fugiram de violências horríveis em El Salvador, Honduras e Guatemala. Muitos sobreviveram a massacres dentro da própria família, sequestros, recrutamento forçado por parte de grupos armados, extorsões e violências sexuais. E ainda continuam temendo a morte e novas violências se forem obrigados a voltar para casa.

“Mesmo se a proibição de asilo proposta pelo governo americano está temporariamente suspensa, muitos dos nossos pacientes centro-americanos nos dizem que estão evitando atravessar a fronteira”, disse Sergio Martìn. “Temem que ao chegar dentro dos Estados Unidos poderão ser deportados ao fazer o pedido de asilo”.

Violências e criminalidade

Segundo informações da organização, 68% dos migrantes que atravessam o país foi vítima de algum tipo de violência. “Um terço das mulheres foi vítima de abusos sexuais. Isso contradiz a ideia de que o México seja um país seguro para milhares de migrantes que viajam para o norte ano após ano procurando proteção e refúgio. Obrigá-los a ficar no México é desumano e ilegal”, disse Sergio Martìn.

Medidas inaceitáveis

MSF considera inaceitável a recente política americana de limitação da migração, inclusive medidas como o fechamento e a militarização da fronteira México e Estados Unidos; ou argumentar que maiores concessões de visto aumentaria a violência doméstica e violência por parte de grupos criminosos; ou então a separação de famílias e de menores não acompanhados nos centros de detenção americanos; e as deportações em massa dos migrantes para lugares onde correm perigo de vida, assim como as repetidas tentativas por parte dos Estados Unidos de declarar o México como um país seguro para os que pedem asilo e estão esperando  sua resposta.

“É necessário que os governos envolvidos nesta migração encontrem uma solução para a crise humanitária na região”, conclui Martin do MSF. 

 

18 dezembro 2018, 13:35