Versão Beta

Cerca

Vatican News
Filha de Asia Bibi Filha de Asia Bibi 

Filha de Asia Bibi: quando a encontrar quero abraçá-la e choraremos juntas

Em uma mensagem em vídeo, a filha de dezoito anos de Asia Bibi agradece aos que rezaram a Deus para que sua mãe fosse libertada. Enquanto isso, dois líderes extremistas islâmicos que incitaram a violência terão que comparecer perante os juízes paquistaneses.

Sergio Centofanti - Cidade do Vaticano

"Ainda não encontrei minha mãe, mas estou muito feliz por ela ter sido libertada e, quando a encontrar, certamente vou abraçá-la com força e chorar com ela." Foi o que disse Eisham, a filha mais nova de Asia Bibi, em uma mensagem em vídeo enviada à Fundação de direito pontifício Ajuda para a Igreja que Sofre (AIS).

Agradecimento pelas orações

 

Eisham, 18, tinha apenas 9 anos quando a mãe foi presa sob a falsa acusação de blasfêmia, em junho de 2009. "Sei que estão todos muito felizes com a libertação de minha mãe. Obrigado por todas as suas orações", afirmou.  

Após a sentença de absolvição da Suprema Corte em 31 de outubro, Eisham havia dito: "É o dia mais bom bonito da minha vida. Quero agradecer a Deus que ouviu nossas orações".

O comovente encontro de Eisham com o Papa Francisco

 

Eisham havia encontrado o Papa Francisco no dia 24 de fevereiro no Vaticano, junto com seu pai Ashik Masih. Um encontro de extraordinária intensidade emocional, um momento de grande oração.

Eisham, alguns dias antes de partir para Roma, havia encontrado sua mãe na prisão, quando disse a ela: "Sabe mãe, eu estou indo para Roma. Também me encontrarei com o Papa e vou a Roma porque o Coliseu ficará iluminado de vermelho. Vamos pensar, na verdade eles pensarão em você no mundo". Asia respondeu: "Se você encontrar o Papa, dê-lhe um beijo por mim".

O Papa disse a Eisham na ocasião que "muitas vezes penso em sua mãe e rezo por ela". E definiu-a como uma "maravilhosa mulher, mártir".

O perdão da Asia Bibi

 

Asia Bibi, 47, católica, mãe de cinco filhos, foi condenada à morte em novembro de 2010. Na última quarta-feira, 7 novembro, foi finalmente libertada e transferida, por razões de segurança, para um local não revelado.

 

Os extremistas islâmicos, de fato, apesar da mulher cristã ter sido declarada totalmente inocente, continuam a pedir seu enforcamento e ameaçam novos protestos violentos se ela deixar o país. Diante de tal ódio inexplicável, Asia Bibi sempre respondeu com oração e perdão. Ele perdoou e reza por aqueles que lhe fizeram mal.

O marido de Asia Bibi: não poderemos ficar no Paquistão

 

Agora se espera pelos desdobramentos desta história dramática. Em particular, a revisão final do caso pelo Supremo Tribunal, um dos pontos principais do acordo do governo com os extremistas, que paralisaram o país com três dias de manifestações violentas.

Ashiq, o marido da Asia, disse: "Tem sido muito difícil nestes anos ficar longe da minha esposa e, especialmente, saber que ela estava naquelas condições terríveis. Agora, finalmente, nossa família se reunirá, mesmo que, infelizmente, duvido que possamos ficar no Paquistão".

Dois líderes extremistas perante os juízes em 12 de novembro

 

Enquanto isso, um tribunal paquistanês aceitou uma queixa contra os líderes dos dois partidos extremistas: Khadim Hussain Rizvi, líder do Tehreek-e-Labbaik Paquistão, e Maulana Fazal Urman, líder do Jamiat Ulema-e-Islam. Eles são acusados ​​de traição, ameaças contra os mais altos cargos do Estado, os militares e os juízes, e incitação à violência pelos protestos que se seguiram à absolvição de Asia Bibi. Eles terão que comparecer ao tribunal em 12 de novembro.

 

10 novembro 2018, 16:06