Versão Beta

Cerca

Vatican News
Líderes coreanos saúdam acordo alcançado que deverá levar à desnuclearização na Península Líderes coreanos saúdam acordo alcançado que deverá levar à desnuclearização na Península  (ANSA)

Card. Yeom: com desnuclearização, um salto à frente para a paz

Reaproximação diplomática, acelerada pelos jogos olímpicos de Pyongyang em fevereiro passado, possibilitou um entendimento – considerado histórico por muitos meios de comunicação – que poderá acabar com 65 anos de gelo entre os dois países cujo conflito marcou uma das fases mais críticas da Guerra Fria.

Cidade do Vaticano

O esperado encontro de cúpula desta quarta-feira (19/09) em Pyongyang, na Coreia do Norte, entre os líderes das Coreias Kim Jong-Un e Moon Jae-in, concluiu-se com a assinatura de um acordo para reduzir as tensões e bloquear o nuclear norte-coreano. Transmitido ao vivo, tratou-se do terceiro encontro entre os dois líderes em poucos meses.

65 anos de gelo entre os dois países da Península

A reaproximação diplomática, acelerada pelos jogos olímpicos de Pyongyang em fevereiro passado, levou a um entendimento – considerado histórico por muitos meios de comunicação – que poderá resultar no fim de 65 anos de gelo entre os dois países cujo conflito marcou uma das fases mais críticas da Guerra Fria.

Esperança por uma nova era de paz

 

A desnuclearização inclui o desmantelamento da base de mísseis de Dongchang-ri, na costa ocidental, e o fechamento permanente da instalação de processamento do urânio de Yongbyon.

O presidente estadunidense se diz satisfeito com o acordo alcançado: “percorremos um longo caminho”, disse Donald Trump. Segundo o chefe de Estado norte-coreano Kim Jong-Un agora será possível uma “nova era de paz e prosperidade” para a Península. Também a população tem grande esperança: os dois chefes de Estado expressaram a vontade de restabelecer a vida normal da Península. O pensamento voltou-se também para as famílias divididas.

Os bispos: o acordo é um presente para todos os coreanos

 

Os bispos sul-coreanos saúdam o encontro como um “sucesso”. “A Igreja católica na Coreia continuará anunciando o Evangelho da paz e rezando pela paz e a prosperidade da Península”, lê-se numa nota da Conferência episcopal.

Interpelado pela agência missionária Fides, o arcebispo de Seul e administrador apostólico de Pyongyang, cardeal Andrew Yeom Soo-jung, se disse “alegre” pela notícia e expressou a esperança de que o entendimento “possa constituir o mais bonito presente para todos os coreanos, à espera do Chuseok, a festa de Ação de Graças, uma das maiores festas na Coreia”.

Acompanhar processo de paz com a oração

 

“Rezo sinceramente a fim de que, mediante os acordos de hoje, a Coreia do Sul e a do Norte possam dar um salto avante para a paz e progredir nas relações bilaterais”, acrescentou.

Neste momento delicado, em que a situação das relações entre as Coreias parece progredir positivamente, numa atmosfera de diálogo e confiança, é importante acompanhar todo o processo com a oração, ressaltou o arcebispo de Seul.

Orações do Papa Francisco pela Coreia

 

“O Papa Francisco assegurou suas orações pela Coreia. Peço não somente aos fiéis coreanos, mas a todo o povo de Deus no mundo que se unam a nós e reze por uma autêntica paz e reconciliação na península coreana. Que a misericórdia de Deus possa acompanhar todos aqueles que estão comprometidos em levar adiante o encontro de cúpula de Pyongyang”, prosseguiu o purpurado.

Por fim, os auspícios do cardeal sul-coreano: “como administrador apostólico da Diocese de Pyongyang, rezo a fim de chegue, o quanto antes, o dia em que as irmãs e os irmãos do Norte e do Sul possam se unir e celebrar novamente juntos uma santa Eucaristia”.

Paróquia no Brasil promove peregrinação da imagem de N. Sra. da Coreia

 

E no dia 19 de setembro de 2018, dia histórico em que Coreia do Sul e a Coreia do Norte deram passos concretos para paz e declararam uma nova era na península coreana, a imagem de Nossa Senhora da Coreia, entregue à Paróquia Nossa Senhora da Piedade, do bairro do Éden, na cidade de Sorocaba, Brasil, esteve visitando a Comunidade Nossa Senhora Desatadora dos Nós, do Condomínio Portobello. Neste bonito encontro da comunidade foi rezado o Ofício Divino das Comunidades pela paz com o terço.

Entre os compromissos firmados, a Coreia do Norte se comprometeu a fechar uma base de testes de mísseis e uma base nuclear, o governo norte coreano se comprometeu em ir a Seul, capital sul coreana, primeira vez que um líder do norte iria oficialmente à capital do sul, desativar postos de guarda nas fronteiras, até novembro cessar todas as manobras militares, possibilitar novos lugares de encontros das famílias separadas pela fronteira e também sediar em conjunto a Olimpíada de 2032.

Segundo Éder Massakasu Aono, a peregrinação da imagem de Nossa Senhora da Coreia e o terço com relíquia de mártires coreanos vem se realizando na paróquia desde a realização da Jornada de Oração pelas Coreias em 26 e 27 de julho deste ano que contou com a presença do Pe. Daniel Koo, coreano que trabalha na Arquidiocese de São Paulo. O evento foi promovido como gesto concreto da Campanha da Fraternidade 2018 que refletiu sobre a Superação da Violência e também atendendo os constantes convites do Papa Francisco a rezar pelas duas Coreias.

O objetivo é sempre rezar pela paz e assim viver a Cultura da Paz, buscando superar toda violência e a peregrinação da imagem tem continuado a reflexão iniciada na quaresma, na Campanha da Fraternidade.
 

 

20 setembro 2018, 15:50