Versão Beta

Cerca

Vatican News
Data é promovida pela UNESCO Data é promovida pela UNESCO  (Copyright by MaxPixel)

Dia Internacional da Lembrança do Tráfico de Escravos e de sua Abolição

“Desde 1998, este Dia Internacional é uma oportunidade ideal para se aprofundar a reflexão sobre o legado da história da escravidão e a necessidade de explorar sua memória”, escreve a diretora-geral da UNESCO.

Cidade do Vaticano

A diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, divulgou uma mensagem por ocasião do Dia Internacional da Lembrança do Tráfico de Escravos e de sua Abolição, celebrado neste dia 23 de agosto.

A data recorda o início de uma revolta de escravos na Ilha de Hispaniola, hoje Haiti e República Dominicana, na noite de 22 para 23 de agosto de 1791.

A guerra que se seguiu atingiu seu auge em 1804, com a independência da França, e foi uma mola propulsora durante todo o século XIX para o movimento de abolição e para o desmantelamento da escravidão em todo o continente americano.

Legado

“Desde 1998, este Dia Internacional é uma oportunidade ideal para se aprofundar a reflexão sobre o legado da história da escravidão e a necessidade de explorar sua memória”, escreve a diretora-geral da UNESCO. Para ela, a data também ajuda na proteção contra os preconceitos raciais que foram desenvolvidos para justificar a escravidão e que continuam a alimentar a discriminação e o racismo cotidianos contra pessoas de origem africana.

Desde 2001, o tráfico e a escravidão são reconhecidos pela comunidade internacional como crimes contra a humanidade. No entanto, a UNESCO alerta que esses flagelos ressurgem em intervalos regulares, de formas diferentes e em lugares diversos.

Novas formas de escravidão

“É por isso que uma melhor compreensão a respeito da história da escravidão e do tráfico de escravos é essencial para um melhor entendimento sobre a emergência de novas formas de escravidão, com o objetivo de impedi-las.”

Nesse sentido, a Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura lançou em 1994 o projeto “A Rota do Escravo”, que promoveu a identificação das questões éticas, culturais e sociopolíticas dessa história dolorosa.

Compromisso

Neste Dia Internacional, a UNESCO convida todos, incluindo autoridades públicas, sociedade civil, historiadores, pesquisadores e cidadãos comuns, a se mobilizarem a fim de aumentar a conscientização sobre essa história e a se oporem a todas as formas de escravidão moderna.

23 agosto 2018, 11:35