Versão Beta

Cerca

Vatican News
O Brasil foi pioneiro na incorporação de diversas vacinas no calendário do SUS O Brasil foi pioneiro na incorporação de diversas vacinas no calendário do SUS 

O sarampo está voltando: manter cobertura vacinal

O Brasil enfrenta dois surtos de sarampo, atualmente: em Roraima e no Amazonas.

Mariangela Jaguraba-Cidade do Vaticano

Continuamos a nossa conversa a propósito de vacinação com a enfermeira Marcilene Chaves Costa do setor de imunização da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Juiz de Fora (MG).

O Brasil é reconhecido internacionalmente pelo seu Programa Nacional de Imunização (PNI), criado em 1973, que disponibiliza vacinas gratuitamente à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

O país já erradicou, por meio da vacinação, doenças como a varíola e a poliomielite (paralisia infantil). A população brasileira tem acesso gratuito a todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Recentemente, o Ministério da Saúde confirmou que o Brasil teve 677 casos confirmados de sarampo. O país enfrenta dois surtos de sarampo, atualmente: em Roraima e no Amazonas. Segundo o ministério, desde fevereiro passado, quando começaram a surgir os casos de sarampo, foram registradas três mortes: duas em Roraima e uma no Amazonas.

O Brasil foi pioneiro na incorporação de diversas vacinas no calendário do SUS, sendo um dos poucos países no mundo que ofertam de maneira universal um rol extenso e abrangente de imunobiológicos.

As vacinas do PNI estão à disposição de todos nos postos de saúde ou com equipes de vacinação, cujo compromisso é levar a imunização até mesmo aos locais de difícil acesso.

Porém, a alta taxa de cobertura que sempre foi a principal característica do Programa Nacional de Imunização, vem caindo nos últimos anos, colocando em alerta especialistas e profissionais da área.

Eis o que disse Marcilene.

Ouça a reportagem!

 

07 agosto 2018, 07:00