Versão Beta

Cerca

Vatican News
IRAQ-CONFLICT-UNICEF-DISPLACED-EDUCATION Crianças iraquianas em um campo de refugiados do Unicef  (AFP or licensors)

Dia Mundial Humanitário: as crises estão em aumento

O Dia Mundial Humanitário, foi instituído pela ONU para homenagear a dedicação e o sacrifício dos trabalhadores humanitários. Neste ano, a ONU promove campanha para proteger civis em conflitos. O Unicef recorda “nossa causa comum”: trabalhar para todas as crianças.

Cidade do Vaticano

No último domingo (19/08) a ONU comemorou o Dia Mundial Humanitário para “recordar os trabalhadores humanitários que ajudam milhões de pessoas em todo o mundo, enfrentando perigos e adversidades, animados por um grande espírito de solidariedade”.

Trabalhadores humanitários

A cada ano, em 19 de agosto, Dia Mundial Humanitário, a ONU reconhece o sofrimento de milhões de civis presos em zonas de conflito e presta homenagem aos trabalhadores que distribuem ajuda – muitas vezes com grande risco pessoal – a comunidades vulneráveis em alguns dos conflitos mais perigosos do planeta.

Nestes lugares, pessoas lutam para encontrar comida, água e abrigo seguro em meio aos combates; escolas são destruídas; crianças são recrutadas e forçadas a lutar; e mulheres são abusadas e usadas como ferramentas de guerra.

“ Ameaçados e impedidos de fornecer assistência àqueles em necessidade, trabalhadores humanitários e médicos também são alvos diretos dos ataques ”

Ataque em Bagdá

O Dia Mundial Humanitário foi criado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2009 com a resolução A/RES/63/139, escolhendo o dia 19 de agosto para recordar o aniversário do bombardeio da sede da ONU em Bagdá, ocorrido em 2003 no qual perderam a vida 22 pessoas entre eles, o diplomata brasileiro e então chefe do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Sergio Vieira de Mello.

Unicef. Aumentam as crises humanitárias

A diretora do Unicef, Henrietta H. Fore, em uma mensagem recordou que “as crises humanitárias estão em aumento tanto em frequência como em complexidade, assim como os riscos para os trabalhadores humanitários, com consequente aumento do número de mortes entre eles”.

Este Dia nos recorda a coragem, dedicação e sacrifício destas pessoas – prosseguiu a diretora do Unicef – como constatamos em recentes visitas ao Yêmen e Sudão do Sul, países perigosos para os trabalhadores humanitários, onde no mês passado uma caravana humanitária do Unicef foi atacada, com consequências fatais”.

Causa comum

A diretora do Unicef concluiu sua mensagem recordado a “nossa causa comum”: trabalhar para todas as crianças. “Trabalhamos para salvar a vida das crianças, defender seus direitos e dar-lhes segurança para eventuais perigos”

“Petição viva”

No Dia Mundial Humanitário do ano passado, mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo participaram de uma campanha chamada #NotATarget – em português, “Não É Alvo” – para reivindicar mudanças, contando histórias de civis em áreas de guerra e conflito.

Neste ano, a ONU e os parceiros humanitários lançaram a primeira “petição viva” de todos os tempos para exigir que os líderes mundiais tomem medidas para proteger todos os civis presos em conflitos cujas vidas estão em risco.

Ouça e compartilhe
20 agosto 2018, 09:29