Cerca

Vatican News
Manifestação reuniu milhares de nicaraguenses no sábado Manifestação reuniu milhares de nicaraguenses no sábado  (ANSA)

Milhares de nicaraguenses manifestam apoio ao episcopado

Milhares de nicaraguenses manifestaram-se no sábado em apoio aos bispos, acusados de "golpistas" pelo governo de Daniel Ortega. A caminhada de 6,6 km até a Catedral em Manágua ocorreu sem incidentes.

Cidade do Vaticano

Milhares de nicaraguenses manifestaram-se no sábado, 28, em Manágua, em solidariedade ao episcopado, acusado pelo governo de apoiar manifestações contra o presidente Daniel Ortega, que em três meses já deixaram 448 pessoas mortas.

Pela primeira vez, católicos, evangélicos e não-crentes caminharam lado a lado, cantando hinos e agitando bandeiras. A imagem da Virgem de Cuapa abriu a “Peregrinação por nossos bispos, defensores da verdade e da justiça”.

"Justiça!", "Liberdade!", "Cristo hoje, Cristo sempre!", "Bispo, meu amigo, as pessoas estão com você!", eram refrões gritados uníssonos pela multidão, que caminhou sem incidentes por 6,6 km, até a Catedral da capital Manágua. A manifestação foi convocada pelo “Movimiento de Autoconvocados”.

 

O clero passou a auxiliar as vítimas da repressão, abrindo também as portas das igrejas para acolhê-los, o que despertou a ira do governo, que passou a acusar os bispos de “golpistas”. Apoiadores do regime, passaram das ameaças às agressões físicas e profanações.

O movimento de protesto iniciado em 18 de abril contra uma reforma da aposentadoria, já descartada, rapidamente se ampliou para denunciar o confisco de poder por esse ex-líder guerrilheiro de 72 anos, no poder desde 2007, depois de já ter governado o país de 1979 a 1990.

Daniel Ortega é acusado de ter implantado com sua esposa Rosario Murillo, que ocupa o cargo de vice-presidente, uma ditadura marcada pela corrupção e pelo nepotismo.

Ele rejeitou na segunda-feira a ideia de renúncia em entrevista à emissora de TV Fox News, afirmando que pretendia ir até o final de seu mandato em 2021, enquanto nas ruas continua a ser exigida a sua renúncia e eleições antecipadas.

Demissão de médicos estatais

 

Quarenta médicos do Hospital estatal Escuela Oscar Danilo Rosales Argüello, localizado na cidade de León, foram demitidos por terem prestado atendimento a manifestantes feridos.

Associações de médicos e de pessoal ligado à saúde pediram a libertação imediata dos médicos encarcerados em instalações policiais e o fim imediato da perseguição, estigmatização e criminalização do exercício médico.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh), responsabilizaram o Governo da Nicarágua por “assassinatos, execuções extrajudiciais, maus tratos, possíveis atos de torturas e detenções arbitrárias”.

Sandinistas em apoio a Ortega

 

Paralelamente à manifestação de apoio aos bispos, milhares de sandinistas foram às ruas em apoio ao presidente Daniel Ortega, expressando repúdio aos “golpistas”.

À pé, em motos e em veículos, milhares de simpatizantes do governo, entre os quais funcionários públicos e membros da Policia Nacional, percorreram 5 km desde a estatal Universidade Nacional Autônoma de Nicarágua até a Rótula Hugo Chávez.

 

Photogallery

Manifestação em Manágua em apoio ao episcopado
29 julho 2018, 18:39