Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Mulheres sudanesas Mulheres sudanesas  (AFP or licensors)

Mobilização internacional para Noura, condenada à morte no Sudão

Noura Hussein, jovem sudanesa de 19 anos, foi condenada à morte por matar o marido. Tinha apenas 13 anos quando foi obrigada a casar. Para o seu caso, a mobilização da Associação Italians for Darfur.

Cidade do Vaticano

Noura Hussein foi sentenciada à morte após matar o marido. Tinha apenas 13 anos quando seus pais a obrigaram a se casar com um parente bem mais velho que a violentava repetidamente. Defendeu-se esfaqueando-o. Hoje, aos 19 anos está na prisão no Sudão.

Italians for Darfur e o caso Meriam

A Associação Italians for Darfur está se mobilizando por Noura, assim como o fez no passado com o caso de Meriam Ibrahim, a mulher cristã que foi salva da condenação à morte por apostasia e depois foi recebida pelo Papa Francisco em 2014. Os advogados e consultores de Noura, com os quais Italians for Darfur está em contato, apresentaram recurso. A organização já lançou uma petição para impedir que Noura seja executada.

A atenção internacional

De qualquer modo, há possibilidade de que a sentença seja anulada: “tivemos a demonstração com o caso de Meriam que é possível mudar as coisas”, diz Antonella Napoli, presidente da Italians for Darfur, evidenciando o quanto seja necessário dar muita atenção a estes casos. “No Sudão, não há leis que criminalizem o estupro conjugal, assim como não é crime obrigar uma criança de 10 anos a se casar, assim como não é crime impedir uma menina de viver a própria adolescência. Infelizmente – conclui – não se fala disso”.

14 maio 2018, 10:52