Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Padre em oração Padre em oração   (Vatican Media)

Bispos colombianos denunciam boicote ao acordo de paz

Em 3 de maio, se realiza na Colômbia a Jornada nacional pela reconciliação, anunciada pela Igreja colombiana em novembro passado após a visita do Papa Francisco.

Cidade do Vaticano

Segundo os bispos reunidos, durante o dia se rezará pela paz e reconciliação na Colômbia, que vive um momento de grande incerteza pela lenta aplicação do acordo de paz com as FARC, pela fase de êxtase das negociações com os outros guerrilheiros da Eln, pela violência perpetrada por grupos dissidentes das Farc dedicados ao narcotráfico e pelos grupos paramilitares em muitas áreas periféricas do país.

Dom Darío de Jesús Monsalve Mejia, Arcebispo de Cali, falou durante uma reunião promovida em sua cidade, capital do departamento de Valle del Cauca, para se fazer uma avaliação do processo de paz. Nesta ocasião, se encontraram alguns bispos de áreas ainda envolvidas em violências e violações dos direitos humanos, como Dom Ómar Alberto Sánchez, bispo de Tibú, na província de Catatumbo, um dos epicentros das atividades de grupos guerrilheiros como o Eln e o que resta do grupo maoísta do Epl, e de Dom Juan Carlos Barreto, bispo de Quibdó, cidade-chefe do departamento ocidental de Chocó. Neste encontro, participaram mais de 100 sacerdotes, religiosos e religiosas.

A contribuição da população, dito durante este encontro, é essencial para a construção da paz. No entanto, reclamou Dom Monsalve, ainda existem "condições que permitiram a presença continuada de grupos ilegais". O bispo denunciou a pressão internacional e "o boicote que está sendo aplicado à implementação dos acordos com as FARC", citando abertamente a administração estadunidense.

A ordem de captura vinda dos EUA para Jesús Santrich, um dos líderes das Farc e novo parlamentar, provocou um forte debate na Colômbia. Dom Monsalve também pediu "proteção" para a população que se torna parte ativa do processo de paz e reconciliação, enquanto Dom Barreto pediu "para continuar no caminho das negociações", especialmente em referência à negociação com Eln.
Fonte: agência SIR
 

02 maio 2018, 13:25