Versão Beta

Cerca

Vatican News
Síria Síria  (ANSA)

Caritas jordaniana: os cristãos sírios perderam a esperança

"A situação no Oriente Médio continua e continuará complexa, talvez para sempre". Foi o que disse, Whael Suliman, diretor da Caritas Jordânia, nestes dias na Itália, para uma conferência.

Luca Collodi  - Cidade do Vaticano

"A guerra na Síria para nós é apenas a última guerra. Mas nunca será a última. É uma área cheia de fogo. A Síria era um grande país. Agora a metade está destruído. A Jordânia nos últimos 7 anos recebeu 1 milhão e 400 mil sírios. Muitos deles perderam a esperança e a razão de vida".

Israel e Palestina

"Também entre Israel e a Palestina, continua Suliman, a situação nunca será resolvida. Esperamos em Deus, e somente Ele que virá de novo poderá resolver o problema. Só Ele tem a solução".

Paz no Oriente Médio

No mundo, "a maioria das pessoas que não quer a guerra está bloqueada. A minoria que quer a guerra, no entanto, trabalha todos os dias. Nós estamos parados, criticamos a guerra mas não fazemos nada pela paz ". "O Vaticano - sublinhou o diretor da Caritas Jordânia - deve chamar políticos católicos de todo o mundo para uma semana de retiro espiritual e pedir ao Espírito Santo o que fazer pela paz no Oriente Médio. E a única pessoa no mundo hoje que pode dar esse passo é o Papa Francisco ".

Deter o êxodo de cristãos do Oriente Médio

"Toda a história do cristianismo começou no Oriente Médio, mas nós damos mais importância aos lugares santos e menos aos cristãos que depois deixam sua terra e partem. Ainda há esperança para ajudá-los, mas como? Todos devem ir ao Oriente Médio, trabalhar pela paz, mas acima de tudo ajudar as pessoas que moram ali". "Se todos abrirem as portas de seus países, em dez anos não haverá mais cristãos no Oriente Médio. Na Europa, vejo que todos querem abrir as portas. Eu entendo, é bonito isso, mas eu digo, não. Digo, em vez disso, venham nos amar, ajudar onde nós estamos. Se a França abre suas portas aos cristãos, quem fica aqui? Para fazer um gesto de amor, corre-se o risco de destruir uma terra. Podemos amar os outros como eles gostariam de ser amados, mas aqui, não como pensamos de amá-los".

Ouça a reportagem
31 maio 2018, 11:04