Cerca

Vatican News
Em 2004, Irmã Dorothy recebeu o Prêmio de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, OAB Em 2004, Irmã Dorothy recebeu o Prêmio de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, OAB  

13 anos do martírio de Irmã Dorothy

Engajada no diálogo com lideranças camponesas, políticas e religiosas, buscava soluções pacíficas e duradouras para os conflitos relacionados à posse e à exploração da terra na Região Amazônica.

Cristiane Murray - Cidade do Vaticano

Às7h30 da manhã do dia 12 de fevereiro de 2005, treze anos atrás, a religiosa estadunidense Dorothy Mae Stang, 73 anos, caminhava por uma estrada de terra a 53 km da sede do município de Anapu, no Estado do Pará, quando deparou com seu assassino.

O sonho da missionária

Irmã Dorothy estava no Brasil desde 1966. Era religiosa da Congregação de Notre Dame de Namur, que reúne mais de duas mil mulheres em trabalho pastoral nos cinco continentes. Depois de um tempo no Maranhão, Irmã Dorothy se transferiu para o Pará, dedicando sua atividade pastoral e missionária junto aos trabalhadores rurais da área da rodovia Transamazônica.

Engajada no diálogo com lideranças camponesas, políticas e religiosas, sempre  buscou soluções pacíficas e duradouras para os conflitos relacionados à posse e à exploração da terra na Região Amazônica. Fundou 22 escolas e a primeira escola de formação de professores na Transamazônica, além de instaurar o projeto de desenvolvimento sustentável ‘A Esperança’, que deveria dividir 130 mil hectares de terra entre 600 famílias.

Prêmios e ameaças

Em 2004, recebeu o Prêmio de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, OAB. Naquele mesmo ano, recebeu também mais de dez ameaças de morte. No ano seguinte, em meio à impunidade e a interesses de madeireiros e traficantes ilegais de recursos amazônicos, sicários ceifaram sua vida com seis tiros a queima-roupa, naquela terra onde trabalhava, entre os mais pobres dentre os pobres.

Compartilhe
12 fevereiro 2018, 16:44