Versão Beta

Cerca

Vatican News
“No Inferno” é considerado,  por muitos, uma obra de difícil leitura “No Inferno” é considerado, por muitos, uma obra de difícil leitura  (AFP or licensors)

Uma obra tragicómica para aliviar a quentura do inferno

Obra do escritor cabo-verdiano Arménio Vieira “No Inferno”, Prémio Camões 2009, traduzido para o italiano e apresentado em Roma.

Dulce Araújo Evora - Cidade do Vaticano

“No Inferno” é considerado,  por muitos, uma obra de difícil leitura. De opinião contrária é o seu tradutor para o italiano, Marco Bucaioni, Professor de literaturas de língua portuguesa na Universidade La Tuscia, de Viterbo, e fundador da Casa Editora “Urogallo”,  que publicou a obra. É uma obra não engajada, mas que tem muito a dizer ao mundo – afirma Bucaioni, confiante no sucesso da edição italiana.

A obra foi apresentada em Roma, no dia 21 de Janeiro, no Centro Cultural Francês, numa iniciativa da Rede Cultural Caboverdiana em colaboração com diversas outras associações e organismos, no âmbito do Dia dos Heróis Nacionais de Cabo Verde e Guiné-Bissau – 20 de Janeiro, data que recorda o triste assassinato, em Conacri,  de Amílcar Cabral, líder da independência desses dois países.

A sala estava cheia de um publico misto, em que sobressaiam, todavia, os cabo-verdianos, entre os quais Alberto Andrade, que tinha muita curiosidade em conhecer Arménio Vieira e que não se deixa desencorajar por aqueles que dizem que o livro é difícil. Vai debruçar-se sobre a leitura.

Por seu lado, Arménio Vieira diz que a obra é “muita coisa, é uma obra tragicómica” para aliviar a quentura do inferno. Poeta, Arménio frisa que a obra lhe foi comissionada, mas que mais do que romancista, considera-se poeta…

Saiba mais sobre esta matéria, ouvindo aqui:

Clique para saber mais:

 

23 janeiro 2018, 08:54