Busca

Vatican News
Símbolos da JMJ no Algarve, Portugal Símbolos da JMJ no Algarve, Portugal 

JMJ 2023: símbolos encontraram jovens que vivem situações especiais

A cruz e o ícone estiveram na Vigararia de Loulé e encontraram jovens portadores de deficiência, jovens institucionalizados devido a problemas familiares e ainda jovens a cumprir pena de prisão. Tudo na crónica do jornalista Samuel Mendonça, diretor do jornal diocesano do Algarve “Folha do Domingo”.

Rui Saraiva – Portugal

A semana que passou ficou marcada pela celebração da Solenidade de Cristo-Rei que desde 2020 é também o Dia Mundial da Juventude. O Papa Francisco na sua homilia na missa celebrada com os jovens na Basílica de S. Pedro pediu-lhes para serem “livres, autênticos” e “consciência crítica da sociedade”.

“Não tenhais medo de criticar, precisamos das vossas críticas – disse o Santo Padre exortando-os a fazer barulho “porque o vosso barulho é fruto dos vossos sonhos, significa que não quereis viver na noite” – sublinhou Francisco.

Ouça e compartilhe!

Protagonistas de uma nova evangelização

 

E na peregrinação dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na diocese do Algarve, os jovens têm feito muito barulho. Na semana passada estiveram na Vigararia de Loulé e o jornalista Samuel Mendonça, diretor do jornal diocesano “Folha do Domingo”, partilha connosco a sua crónica:

“Os jovens das paróquias que constituem a vigararia de Loulé deram continuidade na última semana à onda evangélica que tem vindo este mês a varrer a Diocese do Algarve.

Como protagonistas de uma nova evangelização procuraram, tal como os que os antecederam, não guardar a graça da presença dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) apenas para si, mas partilhá-la com todos, procurando levá-los ao encontro daqueles que a eles não teriam acesso facilitado, fossem também jovens ou mais idosos.

Assim sendo, a peregrinação desta semana ficou marcada pelos encontros com jovens em situações especiais, fossem eles portadores de deficiência, por crimes cometidos. Mas também idosos a viverem em lares, ansiosos pelo tão desejado regresso à “normalidade”, vivido antes da atual pandemia que os castigou impiedosamente mais do que a qualquer outra geração.

Ao longo dos últimos dias, a Cruz Peregrina e o ícone ‘Maria Salus Populi Romani’ foram sinal de amor, de esperança, de força, de alento para todos eles e para aqueles que com eles trabalham. Viveram-se momentos de grande veneração e oração, com sentido profundo de respeito, emoção e carinho por parte de todos.

Na visita a mais uma escola do ensino básico, os símbolos permitiram também àquela comunidade escolar envolver-se em torno de valores universais como a paz, o perdão, a tolerância ou o amor, juntar as suas vozes às daqueles que combatem fenómenos como o racismo, o bullying e outras formas incompreensíveis de violência e exortar os alunos a uma atitude de interrogação que os leve a refletir acerca do sentido da vida em geral, da de cada um em particular e daquilo que pretendem fazer com ela em prol de um mundo melhor.

Por outro lado, foram motivo para que se evidenciasse o abraço entre estudantes que professam a fé na Igreja Católica, outros que não abraçam qualquer credo e aqueles, como os muçulmanos, que são crentes de religiões diferentes, mas que frequentam a disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica. Todos quiseram associar-se também a este movimento.

Abraço também em torno de valores comuns, em que o maior deles talvez seja o da paz, foi aquele que a Igreja Católica algarvia e o Destacamento Territorial de Silves da Guarda Nacional Republicana com área de intervenção em todo o barlavento algarvio protagonizaram no final da semana, levando aquela força de segurança a querer receber também os símbolos da JMJ.

Apesar da tristeza de ver a Jornada Diocesana da Juventude, prevista para o último fim de semana e na qual teriam a graça de ter a cruz e o ícone também presentes, ter sido mais uma vez adiada devido à pandemia que parece querer reacender-se na região e no país, os jovens do Algarve saíram desta semana com o coração sorridente pelo trabalho inspirado que continuam a realizar”

Durante esta semana os símbolos estão na Vigararia de Portimão

 

Será já no dia 26 de novembro o último grande momento de celebração com os símbolos da JMJ na diocese do Algarve. Uma caminhada e Vigília de Oração no Santuário da Mãe Soberana, em Loulé. Segundo nota da diocese, “o início da atividade será às 20.30h, com a chegada e receção dos símbolos e participantes, junto ao Convento de Santo António, em Loulé. Os jovens algarvios caminharão, depois, pelas 21.00h, pela ladeira da Mãe Soberana em direção ao Santuário, onde, às 21.30h terá início a Vigília de Oração.

O Comité Organizador Diocesano do Algarve (COD) para a JMJ apela à presença de cada um, para que este seja um momento inesquecível para a juventude e para igreja diocesana do Algarve.

A 27 de novembro os símbolos serão acolhidos pela diocese de Beja

 

A Peregrinação dos Símbolos da Jornada Mundial da Juventude em Portugal é organizada pelo Departamento Nacional da Pastoral Juvenil que é um secretariado da Comissão Episcopal Laicado e Família da Conferência Episcopal Portuguesa.

Laudetur Iesus Christus

 

24 novembro 2021, 11:05