Busca

Vatican News
Bispos do Quênia Bispos do Quênia 

Crise no Quênia. Bispos fazem apelo para “manter viva a esperança"

Crise política, eleições gerais, violência e insegurança, pandemia, seca: estas são apenas algumas das questões cruciais delineadas pela Conferência Episcopal do Quênia (KCCB) em uma longa declaração emitida em 15 de setembro

Vatican News

As questões destacadas pelos bispos traçam um quadro muito amargo do país africano, que, no entanto, é chamado a "manter viva a esperança" através da "realização da justiça, da paz e da dignidade do povo de Deus". Em 15 de setembro os Bispos lançaram uma longa declaração na qual delineiam algumas questões cruciais que atingem o país neste momento: crise política, eleições gerais, violência e insegurança, pandemia, seca. A Conferência Episcopal do Quênia (KCCB) se disponibiliza a intervir e mediar um acordo.

Ouça e compartilhe!

A crise política

Em primeiro lugar, portanto, os prelados denunciam a crise política em curso, devido às tensões entre o presidente, Uhuru Kenyatta, e seu deputado, William Ruto. No centro da disputa estão as reformas eleitorais e constitucionais. Os desacordos entre as mais altas autoridades nesta frente, disse a Conferência, "são perigosos para a paz e a tranquilidade no país e não podem ser pouco considerados".“Estamos profundamente preocupados", reiteram os prelados, "porque se este desacordo aberto entre o presidente e o vice-presidente for retomado por seus apoiadores, o efeito dominó que poderia ser gerado em todo o país seria terrível até mesmo para imaginar". Daí o apelo a Kenyatta e Ruto para "encontrarem um modo de reconciliar e trabalharem juntos em prol da unidade da nação". Um objetivo para o qual a própria a Conferência oferece sua disponibilidade para "intervir e mediar um acordo entre os dois líderes".

Proteção da população

A Igreja Católica em Nairóbi lembra aos políticos em geral de cumprir as regulamentações anti-Covid e evitar comícios públicos para "não enviar a mensagem errada aos cidadãos". "Os líderes políticos devem levar a vida do povo queniano a sério e protegê-lo a todo custo", destacam os bispos. Ao mesmo tempo, lembram que igrejas e lugares de culto "são sagrados e não devem ser usados como arenas políticas, porque a Igreja está acima da política". Por esta razão, os sacerdotes são chamados a garantir que os candidatos não utilizem locais de culto para fazer campanha, mas participem das celebrações eucarísticas "como qualquer outro fiel, sem fazer propaganda". Em 8 de agosto de 2022, o país irá às urnas para as eleições gerais, nomeação que os bispos esperam que seja realizada sem nenhum adiamento, pois seu adiamento só servirá para "aumentar a tensão política, a ansiedade e a agitação social". O governo e a Comissão Eleitoral Independente, portanto, são chamados a "confirmar com autoridade a data das consultas e assegurar que todos os requisitos constitucionais sejam cumpridos".

Disputa de terras

Os prelados então olharam com preocupação para o clima de "intolerância política no país": "Ninguém, independentemente de sua posição ou filiação política, deve ser autorizado a ameaçar a vida dos cidadãos a fim de perseguir suas próprias ambições". Daí o apelo ao governo para "garantir a segurança de toda a população". A referência é especificamente aos confrontos nas comunidades de Laikipia, Marsabit e Kerio Valley, onde grandes famílias proprietárias de terras têm se apropriado de vastas parcelas de terra reclamadas pela população local. Estas áreas "merecem segurança e paz para que possam continuar sua vida diária", dizem os bispos católicos no Quênia e acrescentam: "A onda de anarquia nestas áreas deve ser detida; os residentes devem ter segurança garantida e nenhum recurso deve ser poupado para restaurar a calma". Por esta razão, a Comissão Nacional de Coesão e Integração é convidada a "intervir sobre todos os políticos que, com seus discursos, estão espalhando o ódio e as divisões étnicas".

Pandemia e fome

Com relação à pandemia da Covid-19, que até agora causou 245.000 casos no Quênia e quase 5.000 mortes, os prelados convidam os fiéis a rezar para que o Senhor ajude. Outra oração igualmente intensa é pedida para melhorar as condições climáticas, de modo a "reduzir o sofrimento causado pela seca no país". Basta dizer que só no condado de Isiolo, no norte do Quênia, 93% dos habitantes têm sua primeira fonte de água potável a mais de 5 km de distância de suas casas. Isto leva a desnutrição, fome e, especialmente para as crianças, problemas de saúde e desenvolvimento. A nota episcopal conclui com um apelo para "promover a paz e a justiça a fim de preservar a integridade de nosso país e a dignidade de nosso povo".

16 setembro 2021, 10:44