Busca

Vatican News
Mãos unidas Mãos unidas 

Dom Fernando Rifan: Unidade e Paz

A Epístola aos Gálatas, tema da nossa meditação neste mês da Bíblia, nos ensina a união na caridade, virtude cristã por excelência, que procede da fé.

Dom Fernando Arêas Rifan, bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

Vi certa vez um desenho gráfico animado alemão, que descrevia um jovem sobre uma ponte querendo suicidar-se. Chega, então, uma jovem tentando convence-lo a não fazer aquilo. Ela lhe diz: Você crê em Deus? Ele responde: sim. Ela se aproxima mais dele e diz: “Oh! Glória! Que bom!” Você é cristão?” Ela se aproxima mais dele, que responde: “Sou sim”. Aleluia! diz ela, eu também. E se aproxima mais. Você é de qual denominação? Ele diz: “De tal”. Ela exclama: “Aleluia! Eu também”. E chega mais para perto. Ela insiste: “Mas de qual convenção: a do ano 1800 e tanto ou de 1900 e tanto?” Ele responde: “A de 1900 e tanto”. Ela, já do lado dele, empurra-o, gritando: “Morre, desgraçado, eu sou da convenção de 1800 e tanto!

Essa ficção retrata como a paixão e o fanatismo podem cegar as pessoas, nas divisões e ideologias. Ausência total de compreensão e caridade, numa total rejeição de qualquer diferença. Espírito sectário. E isso lamentavelmente existe também entre os cristãos.

A Epístola aos Gálatas, tema da nossa meditação neste mês da Bíblia, nos ensina essa união na caridade, virtude cristã por excelência, que procede da fé. “Com efeito, em Jesus Cristo, o que vale é a fé agindo pelo amor: “fides, quae per caritatem operatur” (Gl 5, 6).

Fariseu de nascimento e formação teológica, Paulo Apóstolo se converteu ao cristianismo, depois do seu encontro pessoal com o Senhor Jesus na estrada de Damasco. Sendo judeu de cultura greco-romana, ele se formou nas comunidades helenistas de Damasco, sendo missionário em Antioquia, na Síria, onde havia judeus helenistas e gentios convertidos, uma realidade multicultural e multirracial. Daí terem surgidos desavenças que ele procura corrigir: “Não há mais judeu ou grego, escravo ou livre, homem ou mulher, pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3, 28). “Mas se vos mordeis e vos devorais uns aos outros, cuidado para não serdes consumidos uns pelos outros!” (Gl 5, 15).

“... infelizmente, este ‘morder e devorar’ existe também hoje na Igreja como expressão duma liberdade mal interpretada. Porventura será motivo de surpresa saber que nós também não somos melhores do que os Gálatas? Que pelo menos estamos ameaçados pelas mesmas tentações? Que temos de aprender sempre de novo o reto uso da liberdade? E que devemos aprender sem cessar a prioridade suprema: o amor?” (Bento XVI, carta aos Bispos 10-3-2009).

Essa ideia de unidade e paz na comunidade, São Paulo a reforça na Epístola à Igreja em Corinto, onde também havia divisões e rixas. Ele queria combater todo o espírito sectário, que pode aparecer entre os cristãos: “Irmãos, eu vos exorto, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, a que estejais todos de acordo no que falais e não haja divisões entre vós. Pelo contrário, sede bem unidos no mesmo pensamento e na mesma intenção... Informaram-me que está havendo discórdias entre vós. Digo isso, porque cada um de vós diz: ‘Eu sou de Paulo’; outro: ‘Eu sou de Apolo’; outro: ‘eu sou de Cefas’; outro: ‘Eu sou de Cristo’. Acaso Cristo está dividido? Acaso foi Paulo crucificado por vós? Ou foi no nome de Paulo que fostes batizados?...” (1Cor 1, 10-13).

24 setembro 2021, 16:00