Busca

A história
Vatican News

Alcançar Deus numa folha de relva: o Círculo Laudato si’ da periferia de Roma

Entre os Círculos Laudato si' na Itália, há um na periferia de Roma que deu vida a um grande e bem cuidado espaço verde dedicado a São Francisco, onde a contemplação e o compromisso com a criação se entrelaçam. Também nasceu uma iniciativa especial para crianças. Foram lançados os “Pequenos Círculos”, a primeira experiência deste tipo no país: são as crianças mais novas que respondem em primeira pessoa ao grito da terra e dos pobres.

Giada Aquilino – Vatican News

Um fruto do Tempo de Criação de 2020. De fato, o "Círculo Laudato si' nas Selvas", na paróquia da Natividade de Maria Santíssima em Selva Candida, periferia noroeste de Roma, completa um ano nestes dias, durante a realização da edição de 2021, dedicada ao tema "Uma casa para todos? Renovar o oikos de Deus". Padre Federico Tartaglia, que é pároco daqui há três anos e animador do Movimento Laudato si' - antigo GCCM, o Movimento Católico Global pelo Clima - não vê o aniversário como um marco para o qual são elaborados orçamentos, mas como um ímpeto para avançar. "Olho para o futuro, estamos apenas começando, não fizemos nada comparado ao que está em jogo, à crise ambiental e social: se estamos diante de uma tragédia, devemos ser totalmente radicais para alcançar Deus numa folha de relva, para se parar, para ter um estilo de vida essencial, sóbrio", referindo-se àquela "sobriedade saudável" com que o Papa Francisco na encíclica Laudato si' exorta a marcar "a nossa relação com o mundo" (126).

O altar dedicado a São Francisco na Paróquia da Natividade de Maria Santíssima
O altar dedicado a São Francisco na Paróquia da Natividade de Maria Santíssima

A paróquia, que pertence à diocese de Porto - Santa Rufina, "é absolutamente central para a região, de quase 100 mil habitantes, o que de certa forma", explica o Pe. Federico, "é uma periferia da periferia, em comparação com a fração vizinha de Casalotti, que talvez seja mais conhecida. Nasceu nos anos 50 e 60, depois renasceu nos últimos 20 anos com novas comunidades, também muito grandes, habitadas por romanos que deixaram a cidade: por isso é uma área chamada de ‘dormitório’, com poucos serviços porque muitos estão no centro ou na ‘Via di Casal del Marmo’ ou precisamente em Casalotti, como as escolas. Mas é uma boa periferia: boas pessoas que trabalham, jovens que estudam, alguns imigrantes, especialmente do Leste Europeu ou da América do Sul, que trabalham com famílias locais".

Entusiasmo e energia

Nesta realidade, a paróquia é um contexto dinâmico com um parque que, diz o padre, "é frequentado e utilizado diariamente por centenas de famílias, pela catequese, escolinha de futebol, diversas outras atividades esportivas e sociais, uma creche, a Caritas, visitas aos doentes e idosos: em outras palavras, é a única realidade que de alguma forma mobiliza as pessoas em todos os níveis". Num dia de verão do ano passado, ele continua, "um paroquiano meu, Giuseppe Morelli, depois de ouvir algumas de minhas reflexões na missa, me falou sobre os Círculos Laudato si' e o curso de formação para Animadores do Movimento Laudato si', que eu segui com outros paroquianos. Começamos a doar cópias da encíclica do Papa Francisco e nasceu a ideia de nosso próprio Círculo: em poucas semanas e em meio ao Tempo da Criação, começamos, inicialmente em sete, agora somos cerca de 40, em um ambiente cintilante, cheio de entusiasmo e energia".

A entrada do Jardim Laudato si’ inaugurado na primavera
A entrada do Jardim Laudato si’ inaugurado na primavera

"O Círculo Laudato si' nas Selvas se baseia em três pilares: contemplação, reflexão e ação", explica Emanuela Chiang, animadora Laudato si', inspirando-se nos insights do Movimento Laudato si'. Seu pai é chinês, originário de Taiwan, e sua mãe é italiana, com experiência salesiana e participação no Voluntariado Internacional para o Desenvolvimento (Vis) na área de migração e questões do Oriente Médio. Emanuela também obteve um Diploma em Ecologia Integral na Pontifícia Universidade Gregoriana, assim como o Padre Federico e outros paroquianos. Ela chegou muito recentemente à Natividade de Maria Santíssima e começou imediatamente a estabelecer o Círculo. "A contemplação implica uma oração pela criação, reavaliando nossa relação com ele: o Jardim Laudato si' na paróquia - inaugurado em maio - também foi criado para isso, para facilitar e voltar à contemplação da criação", diz ela.

O grito da terra e dos pobres

"A propósito da reflexão, em nossas reuniões focalizamos um tema particular, como água, terra, fogo, ar, declinando-o com respeito ao nosso comportamento individual e social, falando muito sobre nosso consumo, aprendendo mais sobre a agricultura ecosustentável. Em seguida, concluímos nossas reuniões elaborando propostas concretas, por exemplo, sobre a limpeza do bairro, a redução do plástico - também o fizemos na paróquia, para as máquinas de venda de bebidas - e, em seguida, compras alternativas orgânicas e a Km zero, incentivando o uso de garrafas de água em vez das descartáveis, conscientizando adultos e crianças sobre estas questões. Organizamos a limpeza do parque público da área com as crianças mais novas", continua, "armadas com luvas, bolsas e vários equipamentos, as crianças deram uma mão na limpeza e depois coloriram as cercas com giz. Aprendemos também a fazer sabão em casa, usando sal, limão e vinagre, e fizemos circular a 'receita' entre todas as nossas famílias". A encíclica do Papa Francisco sobre os cuidados com a casa comum "também nos levou" enfatiza, "a prestar atenção especial aos pobres, trabalhando com a Caritas e outras paróquias para prestar assistência aos moradores em situação de rua no refeitório da Estação Termini".

Uma parte do espaço das rosas no Jardim Laudato si’
Uma parte do espaço das rosas no Jardim Laudato si’

Os Pequenos Círculos Laudato si’

O documento do Pontífice de 2015 também apela para uma confiança especial nas crianças, cujo potencial é uma semente que pode gerar "efeitos para toda a vida" (213). "Um dos frutos mais interessantes de nosso compromisso, um fruto espontâneo, diria eu, foi o nascimento do Pequenos Círculos Laudato si', a primeira experiência na Itália, a primeira flor desta realidade ligada ao Movimento Laudato si': são 20 - 25 crianças, de escolas primárias e secundárias, apaixonadas por nossas atividades. Juntos, contemplamos a natureza, através de nosso belo parque, olhando o céu, as árvores, as flores, regando e cuidando delas, desenhando as rosas que foram plantadas aqui em memória de nossos entes queridos - são cerca de uma centena - e fazendo vídeos de conscientização". Um compromisso incessante que os jovens e adultos do Círculo fizeram o Papa conhecer, participando da Audiência Geral no pátio de São Dâmaso, no Vaticano, em um dia quente no final de junho.

O Papa ao saudar as crianças dos Pequenos Círculos Laudato si’ durante a Audiência Geral de 30 de junho
O Papa ao saudar as crianças dos Pequenos Círculos Laudato si’ durante a Audiência Geral de 30 de junho

A ligação com São Francisco

Alguns dias antes, houve também outro evento especial para a comunidade paroquial. Na inauguração do Jardim Laudato si', uma preciosa relíquia do corpo de São Francisco, o Pobrezinho de Assis, foi colocada no altar rodeado de verde, e comemorada com um mosaico de cerâmica. O bispo Gianrico Ruzza, administrador apostólico da diocese de Porto-Santa Rufina, presidiu a celebração. "Foi um pequeno sinal, um começo, que espero que possa se espalhar, porque esta é uma forma concreta de realizar o que o Papa Francisco nos pede" em Laudato si', destaca dom Ruzza.

Dom Ruzza da diocese de Porto-Santa Rufina
Dom Ruzza da diocese de Porto-Santa Rufina

O Pontífice, observa o bispo, "nos pede para responder à urgência da destruição da criação que estamos testemunhando: pessoalmente estou muito preocupado com a evolução do clima, com a situação de nossos irmãos e irmãs que buscam ajuda para fugir da desertificação, com a pobreza que está crescendo cada vez mais. É hora de perceber que não há mais tempo", é o momento de "todos nos comprometermos". "Se o que realmente está em jogo é a sobrevivência dos pobres, a sobrevivência do planeta, a biodiversidade, não é uma questão de maquiar", acrescenta Pe. Tartaglia: "trata-se de nos transformarmos totalmente, de sermos totalmente invasivos em nossas vidas. A conversão integral precisa ser espiritual, porque é questão de viver em maneira cristã, como nos disse Jesus, de maneira franciscana, também de maneira impopular: somente se o coração humano parar para contemplar, satisfeito com esta beleza que nos cerca e moralmente impulsionado por esta beleza à ação, poderá haver esperança de uma conversão integral"

14 setembro 2021, 08:00