Busca

Vatican News
Dom Alcimar Dom Alcimar 

Faleceu Dom Alcimar Magalhães, bispo emérito da Diocese do Alto Solimões

Dom Alcimar iria completar no dia 25 de outubro 40 anos de ordenação episcopal. A missão de dom Alcimar na diocese do Alto Solimões, a terra onde ele nasceu, sempre esteve muito marcada pela dimensão social.

Padre Modino – CELAM

Faleceu neste domingo, 20 de junho de 2021, no Hospital Unimed de Manaus, Dom Alcimar Caldas Magalhães, bispo emérito da diocese do Alto Solimões. Segundo informou a diocese, a causa da morte foi parada cardíaca.

Nascido em 02 de fevereiro de 1940, na comunidade de Ourique, município de Benjamin Constant (AM), filho de seringueiros, foi ordenado sacerdote em 1967. Sua primeira missão foi como pároco na Paróquia de São Paulo Apóstolo em São Paulo de Olivença (AM), sendo eleito Conselheiro e Definidor da Custódia dos Frades Capuchinhos do Amazonas, em 1972.

Dom Alcimar iria completar no dia 25 de outubro 40 anos de ordenação episcopal. Ele foi bispo da diocese de Carolina (MA) durante 9 anos, sendo transferido para a Prelazia do Alto Solimões em 18 de novembro de 1990. Posteriormente, em 16 de fevereiro de 1992, a prelazia foi instituída diocese e dom Alcimar foi nomeado bispo diocesano, cargo que ocupou até 20 de maio de 2015 em que o Papa Francisco aceitou sua renúncia canônica.

A missão de dom Alcimar na diocese do Alto Solimões, a terra onde ele nasceu, sempre esteve muito marcada pela dimensão social, ajudando a promover projetos a serviço de melhores condições de vida para o homem do interior.

Seu trabalho foi reconhecido em muitas ocasiões. Em 1999 foi eleito Conselheiro do Estado do Amazonas para o Setor Primário, sendo condecorado pelo Governo do Amazonas com a medalha Marechal Cândido Rondon; no dia 31 de agosto de 2008, recebeu o título de Cavaleiro da Paz, por suas ações em favor da Vida e da Paz na região do Alto Solimões e em outros lugares por onde esteve; em 2009, foi indicado para concorrer ao Prêmio Brasileiro Imortal promovido pela Companhia Vale do Rio Doce, cujo objetivo era a eleição de seis brasileiros com atividades na área socioambiental e que tivesse real importância, apresentando benefícios e resultados comprováveis às comunidades, cidades, estados ou regiões em que atuam.

Em parceria com entidades estrangeiras, governamentais, não governamentais e sociedade civil organizada realizou inúmeros projetos em prol dos mais carentes, como zoneamento ecológico, econômico participativo na Região do Alto Solimões, em 2002; implantação de sistemas de energia fotovoltaica, potabilização de água e educação socioambiental e sanitária, com a entidade italiana Sipec, em 2003 a 2006; validação de Tecnologia de produção de óleo de dendê, para Biodiesel por agricultores familiares no Amazonas, em 2006; desenvolvimento de agronegócios em comunidades do Alto Solimões, em 2008; flores tropicais em Tabatinga, em 2008; desenvolvimento sustentável de territórios rurais, no ano de 2008; desenvolvimento sustentável da Amazônia Fronteira de Brasil (Alto Solimões em Benjamin Constant), com a entidade italiana Iscos, no ano de 2010 a 2015; melhora da saúde e das condições de vida de comunidades indígenas da Amazônia, Rio Javaria – CIMI, no ano de 2010 a 2016.

A diocese pede orações pelo descanso eterno de seu bispo emérito, e ao mesmo tempo tem mostrado sua solidariedade com “seus familiares, a família capuchinha, amigos, e todos aqueles que com ele caminharam nesta nossa diocese na sua missão como padre e bispo no meio de nós”.

Ainda não foi comunicado a data do velório e sepultamento do bispo emérito do Alto Solimões, que deve acontecer nos próximos dias em Tabatinga, sede da diocese.

20 junho 2021, 23:43