Busca

Vatican News
Mulher palestina lamenta destruição em meio a pessoas que observam os danos causados pelos ataques aéreos israelenses, em Beit Hanun, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021.  (Foto de MAHMUD HAMS / AFP) Mulher palestina lamenta destruição em meio a pessoas que observam os danos causados pelos ataques aéreos israelenses, em Beit Hanun, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021. (Foto de MAHMUD HAMS / AFP)  (AFP or licensors)

Bispos dos EUA: pesar e oração pelo conflito entre israelenses e palestinos

O presidente do Comitê Episcopal para a Justiça e a Paz Internacionaln exorta a "cessar a violência" porque "a mutilação e a morte de outras pessoas só servem para demonizar o adversário e alimentar divisões e destruição". “Basta de confrontos - acrescenta Dom Malloy, relançando o apelo do Papa Francisco ao Regina Coeli no domingo passado - violência gera violência”.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

O conflito entre Israel e palestinos da Faixa de Gaza dura dias, com a violência que se intensificou em Jerusalém. Neste sentido, a Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB), por meio do Comitê Episcopal para a Justiça e a Paz Internacional, expressa suas condolências e convida à oração.

“Estamos muito tristes com os acontecimentos - escreve em declaração o presidente do Comitê, Dom David J. Malloy -. É um ciclo de violência contra o qual nos pronunciamos muitas vezes. Com grande amor em Cristo Jesus, permanecemos sempre próximos da população da Terra Santa, até que a paz de Deus reine em sua plenitude, para sempre”.

 

Em seguida, dirigindo-se a todas as partes envolvidas, o prelado exorta a "cessar a violência" porque "a mutilação e a morte de outras pessoas só servem para demonizar o adversário e alimentar divisões e destruição". “Basta de confrontos - acrescenta Dom Malloy, relançando o apelo do Papa Francisco ao Regina Coeli no domingo passado - violência gera violência”.

Ao mesmo tempo, a USCCB recorda que "há muito tem pedido o apoio ao status quo dos Lugares Santos, incluindo o complexo de Al-Aqsa, ponto nevrálgico de grande parte da violência nas últimas semanas". Neste sentido, o apelo dos prelados à “necessidade de respeitar o direito internacional na resolução destas controvérsias”, com base “na lei moral, nos direitos das nações e na igual dignidade de todos os povos”.

Neste sentido, os bispos dos Estados Unidos unem sua voz à do Papa e de outros representantes cristãos que "pediram à comunidade internacional para intervir para promover uma paz justa na Cidade Santa". Em particular, os prelados rezam “por todos aqueles que legitimamente chamam a Terra Santa de 'casa', pois é por meio deles que chegará a paz duradoura”.

“Que aos principais adversários deste conflito - conclui o comunicado – seja dada a orientação, a força e a coragem que só vêm do alto para construir a confiança em meio aqueles que desejam a beligerância”.

Vatican News Service - IP

14 maio 2021, 16:20