Busca

Vatican News
São Francisco e o Sultão al-Malik   São Francisco e o Sultão al-Malik  

Terra Santa. Em Jericó uma refeição para os muçulmanos no final do jejum do Ramadã

“A encíclica Fratelli tutti do Papa nos deu coragem e queremos encarnar a mensagem do Santo Padre. Temos um só Deus”, assim afirma o pároco frei Mário Hadchiti da paróquia do Bom Pastor em Jericó ao oferecer água e tâmaras aos irmãos muçulmanos no final do jejum diário durante o Ramadã

Vatican News

A paróquia latina do Bom Pastor em Jericó, na Terra Santa, oferece aos muçulmanos uma pequena refeição composta de água e tâmaras na hora do iftar. É o momento em que quebram o jejum diário durante o mês sagrado do Ramadã. Segundo a Custódia da Terra Santa, a oferta é distribuída diariamente pelo pároco frei Mario Hadchiti, dando um pequeno conforto aos que voltam para casa apressados para quebrar as longas horas passadas sem comer e beber. "Acredito que como Jesus se encarnou, também nós devemos encarnar o amor para com o outro – explica frei Mário -. Com este gesto, queremos afirmar que, como cristãos, somos pacíficos e amamos todas as pessoas, sem distinção".

Ouça e compartilhe!

Fratelli tutti

O frade franciscano define seu gesto como uma forma de "quebrar o gelo" e se aproximar dos muçulmanos neste tempo de oração e jejum. "Eu também conheço o sacrifício e os benefícios do jejum - continua frei Mario - Aqueles que rezam e jejuam, fazem-no por Deus e eu sinto vontade de agradecer aos que dedicam tempo a Deus. A encíclica Fratelli tutti do Papa nos deu coragem e queremos encarnar a mensagem do Santo Padre. Temos um só Deus”, continua, "vivemos em uma só terra e é uma 'casa grande' o suficiente para todos". Queremos aplicar na vida diária o que disse o Papa Francisco".

Convivência com os irmãos muçulmanos

A esperança do religioso é que este gesto de proximidade por parte dos cristãos para com os muçulmanos na época do Ramadã possa ser replicado em outro lugar, como já aconteceu. Para o frei Mario, a convivência pacífica com os muçulmanos é uma realidade diária. Como diretor da Escola Terra Santa, a maior de Jericó, onde de 900 alunos, apenas 39 são cristãos, ele experimenta diariamente a convivência entre diferentes credos. "Não fazemos distinções – afirma - a escola é um lugar de formação e educamos de acordo com os ensinamentos de Jesus e segundo as indicações estabelecidas para o território em que nos encontramos. Somos todos filhos de Deus e a nossa é uma missão franciscana a serviço do povo".

"Na escola há órfãos, famílias sem trabalho ou sem salário, e mesmo os que estavam empregados no setor de souvenirs e turismo estão em dificuldade", diz o frade. Embora recebamos apenas alguns pagamentos de taxas escolares, ainda estamos de pé. De uma forma diplomática, fraterna e humana, estamos indo em frente". Para os necessitados de Jericó  frei Mário dedica-se com devoção todos os dias, distribuindo medicamentos, alimentos, apoio às famílias em dificuldade.

Vatican News Service – TC

19 abril 2021, 11:14