Vatican News
Celebraòùao ecumênica na Basílica de São Bartolomeu, na Ilha Tiberina Celebraòùao ecumênica na Basílica de São Bartolomeu, na Ilha Tiberina 

Koch: Os cristãos são os mais perseguidos hoje no mundo

O presidente do Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos participou da celebração ecumênica na Basílica de São Bartolomeu na Ilha Tiberina, em Roma, para recordar os 106 anos do genocídio armênio: o martírio hoje - disse - é ecumênico, e devemos falar de um verdadeiro ecumenismo de mártires.

Benedetta Capelli – Vatican News

Um olhar sobre o "grande e sangrento martírio dos cristãos armênios" e sobre o martírio hoje de tantos perseguidos simplesmente porque são cristãos; um martírio que é um sinal de amor, de fidelidade a Cristo e que pode ser uma semente de unidade. Estes foram os temas fortes da homilia do cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, por ocasião da comemoração ecumênica neste domingo, 25 de abril, realizada na Basílica Romana de São Bartolomeu na Ilha Tiberina, em Roma, o Santuário dos novos mártires dos séculos XX e XXI, por ocasião dos 106 anos do genocídio armênio. Na liturgia ecumênica estiveram presentes representantes da Igreja Apostólica Armênia e da Igreja Católica de rito armênio, membros de outras igrejas e comunidades cristãs e os embaixadores da Armênia junto à Santa Sé e ao governo italiano.

Ouça e compartilhe

Sinal distintivo do martírio cristão é o amor

O cardeal, lembrando que Jesus transformou a violência contra ele em amor oferecendo sua vida na cruz, afirmou que "o mártir cristão é caracterizado pelo fato de que ele não busca o martírio em si mesmo, mas o assume como consequência de sua fidelidade à fé em Jesus Cristo".

O sinal distintivo do martírio cristão é, portanto, o amor. Como o mártir põe em prática a vitória do amor sobre o ódio e a morte, o martírio cristão se manifesta como um ato supremo de amor a Deus e a seus irmãos e irmãs.

celebração ecumênica na Basílica de São Bartolomeu na Ilha Tiberina, em Roma
celebração ecumênica na Basílica de São Bartolomeu na Ilha Tiberina, em Roma

O ecumenismo dos mártires

O Concílio", observou Koch, "reconhece esta 'prova suprema de caridade' não somente nos mártires da Igreja Católica, mas também nas outras Igrejas Cristãs e Comunidades Eclesiais". Este profundo reconhecimento se tornou cada vez mais difundido entre nós cristãos, particularmente no século passado, no início do qual houve o grande e sangrento martírio dos cristãos armênios durante o genocídio deste povo". Desde então - acrescentou - "o cristianismo tem se tornado cada vez mais uma igreja de mártires numa medida incomparável". Na verdade, há hoje mais mártires do que durante a perseguição dos cristãos nos primeiros séculos. Oitenta por cento de todos os perseguidos por sua fé hoje são cristãos".

A fé cristã é hoje a religião mais perseguida do mundo. Esta situação implica o fato de que hoje todas as Igrejas Cristãs e Comunidades Eclesiais têm seus mártires. Os cristãos de hoje não são perseguidos porque são ortodoxos ou ortodoxos orientais, católicos ou protestantes, mas porque são cristãos. O martírio hoje é ecumênico, e é preciso falar de um verdadeiro e próprio ecumenismo dos mártires.

Olhando sob esta perspectiva, percebe-se "uma unidade básica" entre os cristãos: daí o desejo do cardeal de que "o sangue de tantos mártires hoje possa se tornar uma semente para a unidade futura do único Corpo de Cristo dilacerado por tantas divisões".

O mártir não morre por uma ideia, mas com Cristo

Os mártires armênios", continuou o cardeal Koch, "abriram nossos olhos para esta visão profunda no início do sangrento século XX, marcado pelas duas sangrentas guerras mundiais". Eles nos lembraram que o martírio não é um fenômeno marginal no cristianismo, mas é o próprio núcleo da Igreja". O mártir morre por amor, não por uma ideia, mas "com Cristo", que "já morreu por ele".

Os mártires armênios foram testemunhas desta dimensão cristológica de uma maneira especial. Como membros de um Estado que foi o primeiro Estado cristão da história, eles permaneceram fiéis à sua fé apostólica e deram suas vidas por Cristo.

"Eles são no sentido original da palavra grega 'martys'", concluiu Koch, "ou seja, testemunhas, certamente não apenas testemunhas com palavras, mas também testemunhas de fato da fé. O cardeal também informou que o Papa Francisco estava unido em oração com a celebração da noite deste domingo e enviou sua bênção.

Ao agradecer aos presentes, o arcebispo Khajag Barsamian, representante da Igreja Apostólica Armênia junto à Santa Sé, citou São Gregório de Narek, um monge armênio, filósofo e místico que foi proclamado Doutor da Igreja em 2015 pelo Papa Francisco, que em 2016 o havia citado durante a Oração Ecumênica pela Paz:

Lembre-se, [Senhor,...] daqueles que na raça humana são nossos inimigos, mas para o bem deles: realize neles o perdão e a misericórdia. Não extermine aqueles que me mordem: transforme-os! Extirpe sua conduta terrena viciosa e enraíze o bem em mim e neles (Livro das Lamentações, 83:1-2).

 

26 abril 2021, 11:30