Busca

Vatican News
Abadia cisterciense Casamari Abadia cisterciense Casamari 

Em Casamari, a beatificação de seis cistercienses

Nas páginas do jornal L'Osservatore Romano o Postulador Geral da Ordem dos Cistercienses, padre Pierdomenico Volpi, apresenta algumas características dos seis religiosos - Simeone, Domenico, Albertino, Modesto, Zosimo e Maturino - beatificados neste dia 17 de abril na abadia cisterciense do Lácio, pelo cardeal Marcello Semeraro, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, representando o Papa Francisco.

Pierdomenico Volpi*

O martírio tem uma conotação precisa, como lemos no Catecismo da Igreja Católica: "O martírio é o supremo testemunho dado à verdade da fé, o mártir é uma testemunha que chega à morte".

Pode-se também incluir neste testemunho os seis religiosos de Casamari: Simeone, Domenico, Albertino, Modesto, Zosimo e Maturino, que na manhã de sábado, 17 de abril, serão beatificados na abadia cisterciense do Lácio, pelo cardeal Marcello Semeraro, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, representando o Papa Francisco. Como todo santo, a Providência "brinca de invenção": não quer cunhar todos com a mesma cunhagem. Eles têm características especiais, incluindo serem mártires antes de derramarem o sangue. 

Muitos dos monges de Casamari, tendo ouvido falar da violência do exército francês retiraram-se de Nápoles para cidades próximas, deixaram o mosteiro. Apenas os seis religiosos permaneceram, conscientes do risco, e receberam o grupo de soldados em 13 de maio de 1799. As palavras ouvidas pelo padre Simeone algum tempo antes do Crucifixo vêm à mente: " Simeone, a cruz não terminou, mas há outra cruz para passar; mas então você virá comigo para apreciá-la". Testemunhos atestam que ele relatou as palavras a outros monges, então eles já eram "mártires em espera".

Estes religiosos tinham motivos válidos para deixar o mosteiro: entre eles, um monge que não havia jurado a Constituição francesa (Padre Simeone M. Cardon), um desertor do Exército Republicano Francês (Frei Maturino M. Pitri), um monge boêmio pertencente ao Império Austríaco, um inimigo da República Francesa (Padre Domenico M. Zavrel), um religioso da abadia de Septfons que se refugiara em Casamari (Frei Modesto M. Burgen), outro religioso francês que não pôde viver sua vocação na França (Frei Albertino M. Maisonade), e por fim, um jovem religioso de Milão (Frei Zosimo M. Brambat).

Eles não tiveram sequer a "alegria" de experimentar o martírio. Os mártires veem no sofrimento a possibilidade de derramar seu sangue por Cristo, de assemelhar-se a Ele na morte: nos seis religiosos de Casamari não houve nada disso, mas apenas incerteza, medo e dor; eles acolheram o grupo de soldados franceses, alimentaram-nos e foram mortos, como verdadeiros "mártires da acolhida", que viveram e morreram na simplicidade. Padre Simeone e seus companheiros eram um "sinal vivo da presença de Deus". Todos eles tinham seguido o Senhor na escola de São Bento à maneira cisterciense. O Padre Simeone havia deixado a França porque não podia viver plenamente sua vocação de monge e havia enfrentado os inimigos da fé católica.

Padre Domenico havia abandonado tanto sua pátria quanto a Ordem Dominicana para viver mais resolutamente seu chamado à santidade. Um sinal da presença de Deus é também o oblata frei Maturino que, curado de uma doença grave, deixou o exército francês para dedicar sua vida a Deus. Não há dúvida de que todos os mártires de Casamari, tendo escolhido consagrar-se ao Senhor segundo a Regra beneditina, já eram um sinal eloquente da presença de Deus e do martírio uma generosa conclusão de sua consagração. Os mártires de Casamari também foram um "sinal para a vida eterna". As palavras que o padre Simeone disse a seus socorredores antes de morrer são significativas: "Quando tomei este hábito, renunciei à ajuda dos homens. Submetendo-me somente a Deus, não farei nada para encurtar minha vida ou prolongá-la". Frei Zosimo foi também um sinal cheio de significado em relação à vida eterna: ferido mortalmente, ele conseguiu se esconder por três dias e depois partiu para Boville Ernica, em busca de um padre que pudesse administrar-lhe os últimos sacramentos.

Ele teve, entretanto, que parar em seu caminho e, assistido pelos camponeses, morreu. Como testemunhas da vida monástica, e depois derramando seu sangue, nossos mártires são hoje "uma semente que produziu frutos eficazes". Após o martírio, numerosos fiéis afluíram ao túmulo e muitos obtiveram graças. O influxo foi tão grande que o superior da época lhes impôs, em virtude de seu voto de obediência, de não conceder mais favores por sua intercessão. Hoje os testemunhos dos fiéis no livro/ lembrança perto do túmulo são significativos: "Caros irmãos mártires, hoje estávamos falando de vocês desejando a sua canonização. Agora, no silêncio pacífico de seu túmulo, uma única frase brota de meu coração: "Tudo está realizado". Entendo que desejo o que já foi, e é. Por favor, interceda por sua comunidade, por este distrito, pela diocese, por toda a Igreja". Finalmente, eu sou um "sinal de contradição". O mártir é testemunha de Cristo, a luz do mundo, mas o mundo escolhe as trevas, preferindo a mentira à verdade. "No Ocidente,  já existe muitas vezes uma preferência por uma visibilidade silenciosa nos meios de comunicação de massa, oferece-se um cristianismo adocicado e contundente que não tem a coragem de dizer o evangélico "sim, sim; não, não".

É por isso que os próprios cristãos, para não ir "muito" contra a mentalidade atual, preferem ignorar a existência dos mártires". Os mártires de Casamari repetem, em contradição com o mundo, que o caminho mundano não é o caminho do Senhor; Jesus Cristo o afirma claramente quando proclama bem-aventurados os perseguidos. Bento XVI escreveu: "Também este século XXI se abriu sob o signo do martírio". Quando os cristãos são verdadeiramente o fermento, a luz e o sal da terra, eles também se tornam, como aconteceu com Jesus, objeto de perseguição"; como Ele, eles são "sinais de contradição". A convivência fraterna, a fé, as escolhas em favor dos pequenos e dos mais pobres, que marcam a existência da comunidade cristã, às vezes despertam uma aversão violenta". Nossos mártires aceitaram o ódio do mundo porque sabiam que esse ódio se devia à sua fé. De alguns deles conhecemos apenas o nome e algumas breves notícias, mas como já foi dito: "Mártires brilham como estrelas, seu testemunho é forte, encorajador e se torna um testemunho supremo de amor".

*Postulador Geral da Ordem Cisterciense

17 abril 2021, 12:17