Busca

Vatican News
Participantes do Encontro Inter-religioso em Ur com o Papa Francisco Participantes do Encontro Inter-religioso em Ur com o Papa Francisco  (ANSA)

Argélia: Páscoa e Ramadã, ocasiões para cultivar a fraternidade

Na esteira da mensagem do Papa no Encontro Inter-religioso em Ur, o arcebispo de Argel, Dom Paul Desfarges, explica que o convite de Francisco às religiões é o de trabalhar pela paz, especificando que esta também é a vocação da Igreja na Argélia: trabalhar pela paz fazendo fraternidade com todos.

Vatican News

"A Páscoa chega para nos ajudar a acolher a mensagem profética do Papa Francisco no Iraque há um mês": assim escreve o arcebispo de Argel, Dom Paul Desfarges, por ocasião da Páscoa e também do Ramadã, que terá início no dia 13 de abril e terminará em 12 de maio. Para o prelado, informa o portal da Igreja na Argélia, não devemos esquecer “esta viagem do peregrino da Fraternidade na terra de Abraão e a mensagem de esperança que ele testemunhou”.

“A Páscoa nos revela que o próprio Deus é nosso vínculo fraterno com todos. Mediante a sua ressurreição, Jesus Cristo, aquele que se fez irmão de todos, vem falar-nos da sua presença no coração de cada pessoa”, acrescenta o arcebispo de Argel. Por esse motivo, a fraternidade é um sinal luminoso do amor de Deus derramado no coração dos homens.

 

“Em Ur, Iraque, cidade de origem de Abraão –acrescenta Dom Defarges - o Santo Padre nos revela a atualidade da Páscoa indo ao encontro de seus irmãos de diferentes confissões de fé muçulmana, as grandes tradições xiitas e sunitas e várias minorias, yazidis, mazdeanos, sabeus e outros. Precedentemente, ele havia se encontrado com uma grande figura espiritual xiita, o aiatolá Al-Sistani. Encontrou-o pela primeira vez como um irmão, um irmão que crê”.

O arcebispo de Argel recorda ainda, que em Ur, Francisco deixou uma mensagem de fraternidade, afirmando que "o Altíssimo convida a não nos separarmos jamais do irmão que está ao nosso lado”, que “o Além de Deus envia-nos mais além de nós, ao outro, ao irmão. Que a “descendência de Abraão e representantes de várias religiões”, sintam que esta é sua “função primeira: ajudar os nossos irmãos e irmãs a elevarem o olhar e a oração para o Céu”.

O convite do Papa às religiões, é o de trabalhar pela paz – esclarece o prelado - especificando que esta é também a vocação da Igreja na Argélia: trabalhar pela paz, fazendo fraternidade com todos.

E para Dom Desfarges, um momento privilegiado para experimentar a fraternidade, será o Ramadã, que começará em alguns dias. “Este momento de renovação espiritual para os nossos irmãos e irmãs muçulmanos é uma oportunidade para nos associarmos com o coração em sua oração - destaca o arcebispo de Argel - e também para viver momentos fortes de vida fraterna, por exemplo, durante os convites para viver o fim do jejum". E ainda que este ano esteja a colocar à prova muitas famílias, conclui o prelado, o Ramadã "será certamente um momento de maior solidariedade".

Vatican News Service - TC

03 abril 2021, 17:17