Busca

Vatican News

A reconciliação do Iraque passa pelos jovens

O Papa Francisco leva aos cristãos do Iraque "o carinho da Igreja depois de tantos anos de sofrimento e perseguição". Na mensagem em vídeo dirigida ao povo iraquiano, o Papa destaca a necessidade de iniciar um caminho que possa fortalecer os laços de fraternidade entre todos os componentes do país, para que seja possível construir um futuro de paz.

Stefano Leszczynski – Vatican News

As comunidades cristãs do Iraque experimentaram anos de martírio devido a guerras e perseguições, que levaram centenas de milhares de iraquianos a deixar suas terras. Agora, parece ter chegado a oportunidade de virar a página e contribuir para a reconstrução de toda uma sociedade. Um recomeço que não é fácil e que requer forte atenção internacional.

A importância de não ficar sozinho

 

O trabalho de apoio e ajuda prestado pelas organizações de caridade da Igreja - explica Alessandro Monteduro, diretor da Ajuda à Igreja que Sofre/Itália - tem sido fundamental para permitir a sobrevivência das comunidades cristãs, especialmente no norte do Iraque. Um esforço financeiro e organizacional que, dos acampamentos de acolhida, levou muitas famílias cristãs sobreviventes de volta a seus lares verdadeiros. “Hoje - continua Monteduro - podemos saudar com alegria o fato de que 45% dos cristãos dos 120 mil que foram obrigados a fugir em 2014, terem regressado aos povoados da Planície de Nínive, tão caras à nossa tradição”.

Reconstruir o tecido social e econômico

 

Criar as condições para que a sociedade iraquiana possa voltar a prosperar exige um adicional esforço que se concretiza não somente por meio da reconstrução de infraestruturas, mas também pelo relançamento da componente da fé, como a restauração de igrejas, das casas paroquiais, dos seminários, de mosteiros, conventos. Uma realidade que só será possível investindo na juventude, não somente cristã.

“Investir na formação de jovens iraquianos - afirma o diretor da ACS - significa dar ao país novas possibilidades econômicas, porque o novo grande perigo é o da pobreza, que pode levar aquilo que resta das comunidades cristãs a deixar sua pátria”.

Em Erbil, a primeira universidade católica

 

É precisamente com o objetivo de unir os jovens em um itinerário educacional que conduza a um futuro de prosperidade e paz que se concretizou o projeto de um polo universitário aberto a todos, precisamente no Curdistão iraquiano.

A Universidade de Erbil, inaugurada oficialmente em 2015 e fortemente desejada pelo arcebispo caldeu Bashar Warda, é uma realidade na qual até a Conferência Episcopal Italiana acredita profundamente, bem como a ACS, que lançou um novo programa no valor de 1,5 milhões de euros em apoio a 150 bolsas.

“Até hoje, já são 170 universitários iraquianos - sublinha Alessandro Monteduro - representados por 72% de cristãos, 18% de yazidis e 10% de muçulmanos. Nessas salas de aula, é fortalecido o diálogo, a harmonia e a colaboração, sobre a qual edificar uma comum pertença comum àquela terra, na esperança de não ter mais que falar do Iraque da forma como nos vimos obrigados a fazer nos últimos vinte anos.

06 março 2021, 13:12