Busca

Vatican News
Iemenitas na fila para receber ajuda humanitária Iemenitas na fila para receber ajuda humanitária  (ANSA)

Vigário Apostólico: o Iêmen à beira do abismo

Enquanto abre-se a Conferência de Doadores em Genebra para oferecer uma esperança ao país, o Vigário Apostólico da Arábia Meridional Dom Paul Hinder, faz um quadro dramático do que está acontecendo no Iêmen, com pessoas famintas, em meio à insegurança e um futuro seriamente comprometido

Benedetta Capelli e Adriana Masotti – Vatican News

Seis anos após o início da guerra no Iêmen, a situação é complexa e altamente comprometida: mais de 4,3 milhões de pessoas, incluindo mais de 2 milhões de crianças, deixaram suas casas, e estima-se que 80% da população - 24,3 milhões de pessoas - estão necessitando de assistência humanitária. O país está sobrevivendo graças à ajuda da comunidade internacional, 66% da população está totalmente dependente dela, mas ainda há muito a ser feito: Nestes dias está sendo realizada em Genebra a Conferência de Doadores.

Diante da emergência humanitária mais grave do mundo, como foi definido pelas Nações Unidas, os grandes doadores internacionais financiaram apenas metade do que seria necessário e no ano passado desapareceram US$ 1,5 bilhão. Enquanto isso, aumenta cada vez mais a desnutrição, o coronavírus - em janeiro de 2021, a Organização Mundial da Saúde relatou 2.123 casos e 616 mortes, com uma taxa de mortalidade de 29% - e há temores pelos civis fugindo da região de Marib, conquistada pelos rebeldes Houthi, onde os confrontos com as forças governamentais reconhecidas internacionalmente estão se intensificando. Um cenário no qual o ACNUR apelou para a abertura de corredores humanitários.

O povo passa fome

Dom Paul Hinder, vigário apostólico da Arábia Meridional confia sua preocupação ao Vatican News, fazendo-se porta-voz de uma população que sofre de fome, é desencorajada e sem confiança e vê um futuro sombrio pela frente:

Na minha opinião a situação permanece à beira da catástrofe, afirma Dom Hinder, porque há o problema da fome, da saúde, e acima de tudo da guerra e da insegurança com todas as consequências que se pode imaginar. Há seca e os agricultores são limitados no trabalho da terra. É um complexo de elementos negativos que afetam a situação no Iêmen.

Quatro agências da ONU nos últimos dias previram que em 2021 cerca de 2,3 milhões de crianças menores de 5 anos sofrerão de desnutrição aguda no país. Ainda é alarme para as crianças iemenitas ...

Dom Hinder: É claro que esta é uma triste realidade e difícil de sair dela. Se não houver um cessar-fogo, se as partes em conflito não se reunirem em torno de uma mesa, o acesso às agências humanitárias que querem ajudar o Iêmen não poderá ser possível. Isto será uma catástrofe para as crianças, mas não só para elas.

A Conferência dos Países Doadores que está sendo realizada em Genebra arrecadou no ano passado pouco mais da metade dos fundos necessários, enquanto que as necessidades da população aumentaram. Na sua opinião, quais são as áreas mais urgente para agir?

Dom Hinder: É difícil dizer porque as necessidades variam de região para região no Iêmen. Certamente nos falta comida, nos falta muito no setor de saúde e não devemos esquecer a educação. O país está em guerra há mais de 5 anos e todo o setor educacional chegou a um impasse com consequências desastrosas para o futuro. Portanto, é difícil dizer quais seriam as urgências, mas eu diria que antes de tudo as pessoas precisam ser alimentadas, porque senão elas morrerão, e depois há tudo mais que precisa ser feito para alcançar uma vida minimamente digna, especialmente em regiões onde o risco para a população é maior.

Existe alguma perspectiva de paz no país, de um retorno à normalidade?

Dom Hinder: Não vejo na mente dos que estão no poder o desejo de tomar uma decisão neste sentido. Sou um pouco cético porque há uma falta de confiança na base, ninguém confia em ninguém e não é possível encontrar uma base comum precisamente porque não há um mínimo de confiança mútua. É difícil conseguir um cessar-fogo duradouro e uma paz justa; se não houver solução política, a guerra continuará internamente e, infelizmente, também sob influência externa.

O que a Igreja pode fazer ou o que ela está fazendo para dar um mínimo de esperança à população?

Dom Hinder: Atualmente somos quase inexistentes no país. Há muito poucos cristãos que ficaram e quase todos são migrantes que trabalham em algum setor necessário para o país ou que não o deixaram quando foi necessário. Portanto, a Igreja quase não existe neste momento, com exceção das Irmãs de Madre Teresa que ainda estão em Sana'a. Os cristãos são muito poucos e correm o risco como os outros. É uma situação muito triste e de fora é quase impossível intervir mesmo que eu esteja em contato com alguma agência internacional ou com a Cáritas Polônia que tem um escritório no Iêmen, mas as possibilidades são poucas. É realmente uma situação triste que nos faz chorar às vezes, o que resta é a esperança que nunca perdemos porque nos confiamos a Deus mesmo se, nessas situações, às vezes também dizemos "por que Senhor, por que"?

01 março 2021, 13:41