Busca

Vatican News
Evangelho do domingo Evangelho do domingo  

Reflexão para o 6º Domingo do Tempo Comum

Deus não precisa agir de modo fantástico e na maioria das vezes só percebemos sua ação divina, tempos depois, quando o mal ou a perturbação já não existe.

Pe. Cesar Augusto, SJ - Vatican News

A vida, muitas vezes, nos prega peças! Esperamos coisas espetaculares para a solução de questões difíceis para os mortais, só que quando entra Deus no meio do processo, as soluções são simples e altamente discretas. Deus não precisa agir de modo fantástico e na maioria das vezes só percebemos sua ação divina, tempos depois, quando o mal ou a perturbação já não existe.

Essa é a história contada no Segundo Livro dos Reis, cuja perícope 5, 9 -14, é nossa primeira leitura. Naamã, homem importante de outro reino, com outra religião e adorando deuses criados pelos homens, foi acometido por uma doença praticamente incurável naquela época, a lepra. Uma de suas servas, capturada em Israel, vendo a situação dele, disse à sua patroa que existia um grande profeta na Samaria e que bastaria seu senhor se apresentar ao homem de Deus para que ficasse curado. Informado desse diálogo, o rei de Naamã o enviou ao rei de Israel, com uma carta onde pedia a cura do chefe de seu exército, além de inúmeros presentes. O rei israelita reenvia seu hóspede ao profeta Eliseu, que dispensando os protocolos e uma cena grandiosa de cura, mas agindo apenas como homem de Deus, manda a Naamã o recado para se banhar sete vezes no rio Jordão.

Ouça e compartilhe

O prócer, indignado com a atitude do profeta, decidiu dar meia volta e retornar para sua terra, dizendo que lá havia rios melhores que todas as águas de Israel. Mais uma vez, a piedade e comiseração dos servos em relação ao seu senhor se faz presente e eles pedem que Naamã reconsidere sua decisão de retornar e mostram a facilidade em cumprir o que o profeta Eliseu havia recomendado. Do mesmo modo que a estima dos servos pelo seu senhor não permitiu a omissão da intervenção, a altivez de Naamã não foi tamanha a permitir uma arrogância e ele escuta os servos. Vai até ao Jordão e se banha sete vezes. Aí, de modo bastante discreto, surge a grandiosidade e onipotência de Javé, o Deus de Israel.

Naamã vai até Eliseu, faz sua profissão de fé em Javé, como Deus único e verdadeiro e pede que o Profeta aceite seus presentes, fruto da alegria e da gratidão pela cura; mas o homem de Deus os recusa, por várias vezes. Vencido, o homem importante, pede então levar um pouco da terra de Israel, para que, em seu país, sobre a terra de Israel possa louvar e oferecer sacrifícios a Javé, o que o Profeta consente e o despede em paz.

Esse trecho nos mostra como o Deus onipotente, onisciente e onipresente dispensa o espetacular, o fantástico e age de modo muito discreto, mas age e melhor do que pedimos ou podemos imaginar.

No Evangelho, Marcos 1, 40 – 45 vemos Jesus curando um leproso e pedindo a ele que não falasse da cura para ninguém, o que evidentemente não é feito e a fama de Jesus se propaga de tal modo que passa a ter dificuldades para entrar em uma cidade. Essa dificuldade é gerada, não tanto pela multidão que “entope” os acessos, mas porque Jesus ao tocar no leproso se torna impuro, segundo a Lei, e, com isso, sua entrada na cidade fica vedada. Por outro lado, pela própria Lei, o judeu sabe que um dos sinais da presença do Messias é a cura dos leprosos; ora, ao mesmo tempo que o povo o reconheceria como Messias, o reconheceria como o Messias poderoso e libertador, “prometido pela tradição”, mas Jesus quer mostrar um Messias servo, que liberta e salva doando a própria vida. Nos planos de Jesus, sua identidade só deverá ser revelada após sua paixão, morte e ressurreição.

Concluindo, se na primeira leitura, Eliseu dispensa protocolos e age na simplicidade, em nome do Senhor, no Evangelho, Jesus age também discretamente porque deseja mostrar um libertador que apenas pensa em servir e, e se for o caso, entregando sua própria vida.

Como Naamã, o grande general estrangeiro e como o leproso curado por Jesus, aceitamos uma ação discreta de Deus e, testemunhamos que o Senhor é Grande e Poderoso e nos tornamos pessoas humildes?

 

13 fevereiro 2021, 08:00