Busca

Vatican News
Pigmeus costumam viver nas florestas do Congo Pigmeus costumam viver nas florestas do Congo  (AFP or licensors)

Projeto dos combonianos busca integração social de jovens pigmeus na RDCongo

“Desde a chegada dos primeiros padres combonianos no Congo, nos anos 60, o trabalho em favor destas pessoas foi combater os preconceitos e fazer com que os pigmeus não fossem mais obrigados a viver marginalizados na floresta”, conta padre Pierre Levati.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

“Este projeto é um trampolim para que os pigmeus se tornem sujeitos ativos da sociedade em que vivem. Até o momento, construímos um colégio onde os alunos podem ficar por longos períodos. Também estamos organizando uma série de encontros de formação, com duração de um ano, em técnicas agrícolas e pecuárias”.

O comentário à Agência Fides é do padre Pierre Levati, missionário comboniano de nacionalidade togolesa, ao falar sobre o projeto de escolarização que a família comboniana promove para auxiliar a população dos pigmeus que vive na região de Mungbere, no nordeste do país, para que seja integrada no tecido social deste território.

O sacerdote, promotor desta iniciativa, explicou que “desde a chegada dos primeiros padres combonianos no Congo, nos anos 60, o trabalho em favor destas pessoas foi de combater os preconceitos e de fazer com que os pigmeus não fossem mais obrigados a viver marginalizados na floresta”.

Nesta pastoral - observa o missionário – há muitas dificuldades: a primeira é como localizá-los, porque não é fácil encontrá-los na floresta. A segunda é como os abordar: muitas vezes nos perguntamos qual poderia ser sua reação diante de um indivíduo que não pertence à sua etnia. Outra dificuldade é a língua falada. Para isso é necessário encontrar um bom intérprete em cada povoado”.

Somente nos últimos 20 anos - conta padre Levati - teve início um programa de escolarização, saúde e desenvolvimento que envolve diretamente os pigmeus. “O percentual de matrículas de crianças e adolescentes pigmeus nas escolas, de fato, ainda é muito baixo, sobretudo no ensino secundário, onde praticamente estão ausentes. A taxa de analfabetismo de forma geral ultrapassa os 97% e a das mulheres atinge os 99%”.

Além de sofrerem uma atitude discriminatória - acrescenta o religioso - "outros agravantes no processo de abandono escolar são os matrimônios precoces, o alcoolismo e a toxicodependência”.

Para fazer frente a esta situação, os missionários combonianos, graças à angariação de fundos, construíram um colégio no centro de Mungbere, que hoje acolhe cerca de 110 jovens.

“Esta estrutura - comenta - embora tenha sido construída para jovens pigmeus, deixa suas portas abertas também para as crianças da etnia Bantu, outra população que povoa esta área, para promover a integração entre eles. Além disso, nos povoados onde estão localizados os acampamentos de pigmeus, criamos escolas chamadas 'ORA' (Observe, Reproduza e Assimile). No final do ciclo escolar, todos os alunos, antes de entrarem no colégio, devem fazer um exame de admissão”.

O projeto também prevê cursos para o cultivo de campos e criação de gado. “Serão envolvidos principalmente os jovens, com o objetivo de reduzir a pobreza, o roubo e o ócio”, explica Pe. Levati. “Ao final desses percursos - conclui - os participantes receberão ferramentas de trabalho para o início de suas atividades”.

Agência Fides – ES

22 fevereiro 2021, 12:37