Vatican News
Migrantes venezuelanos caminham na fronteira com a Colômbia Migrantes venezuelanos caminham na fronteira com a Colômbia 

Pandemia na pauta da Plenária dos bispos venezuelanos

Ao final da Assembleia Plenária, a Conferência Episcopal da Venezuela apresentará ao povo de Deus, que muito provavelmente terá a ver com a atual crise humanitária que o país atravessa.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

Tem início nesta quinta-feira, 7, a 115ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal da Venezuela (CEV), que neste ano será virtual, em virtude das novas disposições das autoridades do país para conter a difusão do coronavírus.

Segundo fontes da Agência Fides e informações da própria CEV, participará do encontro o núncio apostólico na Venezuela, o arcebispo Aldo Giordano, que fará uma saudação e oferecerá uma mensagem para encorajar os trabalhos. Um dos temas centrais do encontro será a análise da realidade da Venezuela neste período de pandemia.

A Venezuela registrou 115.000 casos de Covid-19 com 1.050 mortes. A partir de 4 de janeiro, como parte das medidas de combate à pandemia do coronavírus, o país voltou ao esquema definido como "7 + 7", ou seja, sete dias de quarentena estrita e outros sete de medidas mais flexíveis. O anúncio foi feito via Twitter pelo vice-presidente executivo da Venezuela, Delcy Rodriguez. De fato, nos últimos dias as estatísticas do Ministério da Saúde têm revelado um aumento no número de casos e, portanto, a necessidade de se voltar a medidas mais rígidas.

O Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) encaminhou seu pedido à CEV para refletir sobre as sugestões que ela poderia oferecer para a reestruturação do CELAM, tema que também será proposto na pauta da Assembleia Plenária.

O discurso de abertura estará a cargo de Dom José Luis Azuaje, arcebispo de Maracaibo e presidente da CEV. Como de costume, ao final da Assembleia Plenária, a CEV apresentará ao povo de Deus uma exortação pastoral que, como referido por algum bispo venezuelano de forma singular, muito provavelmente terá a ver com a atual crise humanitária que o país atravessa.

Agência Fides - CE

07 janeiro 2021, 14:46