Busca

Vatican News
Cristãos em oração, Beirute, Líbano Cristãos em oração, Beirute, Líbano  (AFP or licensors)

Padre Chlouk à AIS: milhares de cristãos em fuga do Líbano

Eles deixam seu país de origem onde se sentem quase estranhos. A tristeza do pároco da Catedral Maronita de São Jorge em Beirute é grande, mas não sufoca a esperança: “Apesar de tudo, sabemos que nosso Senhor Jesus Cristo é o dono da história, e que em suas mãos está toda a nossa história e nossa vida”, disse ele.

Anna Poce – Vatican News

O pároco da Catedral Maronita de São Jorge em Beirute, pe. Jad Chlouk, numa entrevista à fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre do Reino Unido, disse que milhares de cristãos estão deixando o Líbano após a explosão no porto de Beirute, em 4 de agosto, causando temor pelo futuro da Igreja.

Ouça e compartilhe

Cristãos estranhos em seu país

A mídia libanesa relatou que após a explosão, milhares de solicitações foram apresentadas ao escritório de imigração. “As estatísticas mostram que mais de 380 mil pedidos de imigração foram apresentados às embaixadas da UE e dos países da América do Norte”, disse pe. Chlouk, “e que a maioria deles vieram de cristãos, que infelizmente agora se sentem como estranhos em seu país de origem”.

“Consequentemente, o número de cristãos no país está diminuindo a cada dia, e isto está influenciando negativamente a situação e causando ainda mais pressão naqueles que permanecem, numa condição em que podem sofrer em breve por serem perseguidos”.

O Oriente Médio está se esvaziando

O pe. Chlouk ressaltou que, em todo o Oriente Médio, o número de cristãos diminuiu. O Iraque tinha 1 milhão e 500 mil cristãos antes de 2003, e agora talvez sejam menos de 150 mil. A Síria, em meados de 2017, tinha menos de 500 mil, uma queda em relação a 1 milhão e duzentos e cinquenta mil antes do início da guerra civil em 2011. “Esta não é uma teoria de conspiração”, salientou o padre, “é a realidade que temos testemunhado com nossos vizinhos mais próximos, incluindo Síria, Iraque, Palestina e Jordânia”.

O sacerdote concluiu com uma nota de otimismo. “Apesar de tudo, olhamos para o futuro com esperança, porque sabemos que nosso Senhor Jesus Cristo é o dono da história, e que em suas mãos está toda a nossa história e nossa vida.”

11 janeiro 2021, 11:54