Busca

Vatican News
Os alunos voltaram às aulas depois de 10 meses de escolas fechadas Os alunos voltaram às aulas depois de 10 meses de escolas fechadas  (AFP or licensors)

Quênia: o apelo de líderes religiosos para reforçar prevenção à pandemia nas escolas

Os estudantes no Quênia voltaram às aulas há uma semana e depois de 10 meses de escolas fechadas. O Conselho Nacional de Igrejas do país divulgou declaração com apelo ao governo, aos administradores dos colégios, a pais e tutores sobre a responsabilidade mútua neste período difícil da pandemia e para evitar uma terceira onda de contágios por Covid-19.

Andressa Collet - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

O Conselho Nacional de Igrejas do Quênia exorta o governo do país a reforçar as medidas de segurança nas escolas neste período de pandemia para proteger a saúde dos estudantes que retornaram às aulas presenciais em 4 de janeiro e depois de 10 meses fechadas. Segundo informações da agência católica de notícias do país, a Cisa, o pedido foi feito em declaração de 7 de janeiro, assinada pelo secretário-geral, o reverendo Chris Kinyanjui.

Milhões de estudantes voltaram às aulas pela primeira vez desde 15 de março de 2020, quando tinha sido decretado o fechamento das escolas para combater a Covid-19. Segundo o depoimento de uma mãe de aluno à agência de notícias AFP, é uma felicidade o retorno às aulas mas, “no momento, estamos bastante preocupados porque não sabemos se outras crianças na escola têm o vírus, ou se os professores têm, ou a equipe da escola”. O Quênia registrou quase 97 mil casos e mais de 1.500 mortes atribuídas ao coronavírus desde o início da epidemia. A taxa de casos positivos foi de cerca de 5% na semana passada, comparada com os picos de 20% em outubro.

A declaração do Conselho Nacional de Igrejas

No texto dos líderes religiosos, a solicitação ao governo para “agilizar o pagamento e a entrega dos bancos escolares adquiridos no ano passado", como também de "facilitar a construção de salas de aula". O Conselho Nacional de Igrejas disse, no entanto, estar pronto para oferecer instalações eclesiásticas àquelas escolas que poderiam precisar de mais espaço para os estudantes e para dar apoio espiritual a todas as instituições. Tanto o clero como os profissionais parceiros do Conselho “estão prontos e dispostos a fornecer apoio espiritual e psicossocial a estudantes e professores para poder lidar com as medidas para conter a pandemia".

Escola para todos

Além disso, o Conselho pediu aos administradores escolares que "permitam aos estudantes, cujas vidas foram perturbadas durante a pandemia, especialmente às meninas que engravidaram ou foram atraídas para casamentos precoces, que retomem os estudos". Também foi lembrado aos pais e tutores "que a reabertura das escolas não significa o fim da pandemia", pregando que continuem a cumprir com as medidas de prevenção ao coronavírus para, assim, conseguir evitar “uma terceira onda de contágios por Covid-19".

Finalmente, o Conselho de Igrejas do Quênia expressou preocupação com o agravamento da crise no setor da saúde e exortou o governo a responder às questões dos profissionais do setor.

Vatican News Service - AP

11 janeiro 2021, 13:28