Busca

Vatican News
Crianças brincam em meio à destruição em Homs Crianças brincam em meio à destruição em Homs 

Arcebispo de Homs, falecido aos 52 anos, “um lutador da esperança”

Dom Selwanos Boutros Alnemeh, arcebispo sírio ortodoxo de Homs, faleceu na segunda-feira, 7 de dezembro, em Damasco. Com a Fundação de direito pontifício Ajuda à Igreja que Sofre, o metropolita colaborou em projetos emergenciais para aliviar a dor e encorajar a comunidade cristã.

Emanuela Campanile - Cidade do Vaticano

“Um homem que sofreu com seu povo e por seu povo”. Com estas palavras Regina Lynch, responsável dos projetos da Fundação de direito pontifício Ajuda à Igreja que Sofre (ACS, sigla em italiano), recorda Dom Selwanos Boutros Alnemeh, arcebispo sírio ortodoxo de Homs, falecido última segunda-feira após uma breve, mas grave doença.

A sua vida - lê-se no comunicado da ACS - que terminou aos 52 anos, foi marcada pelo sofrimento que transformou em devoção paterna e dedicada a numerosos projetos em favor dos órfãos e das famílias mais pobres da arquidiocese, mesmo nas fases mais difíceis da guerra. Outra grande preocupação eram seus sacerdotes, pastores incansáveis, mas privados recursos em um país dilacerado e mergulhado na pobreza.

“Cresci órfão, a Igreja era minha mãe. Agora todos na Síria se sentem órfãos - Selwanos Boutros Alnemeh”

Testemunha de dor e esperança

 

Ele testemunhou a destruição de Homs, as atrocidades e perseguições pelos jihadistas nos vários povoados e contra as comunidades cristãs vizinhas: o massacre de 45 cristãos em outubro de 2013 em Sadad, a cidade natal do arcebispo onde ele foi sepultado, e em maio de 2014, a explosão da bomba na Catedral de Homs que também feriu seu irmão, que morreu poucos meses depois devidos aos graves ferimentos.

Apesar dos duros golpes - continua a nota da Fundação - o metropolita de Homs e Hama nunca se cansou de alimentar esperança. Junto com projetos de emergência para aliviar as dores e necessidades, Selwanos promoveu, com a ajuda da ACS, muitas outras iniciativas para encorajar e fortalecer a comunidade cristã, como o "Caminho da Esperança": as crianças da Cidade Velha de Homs pintavam graffiti nas paredes das casas destruídas para mostrar que os cristãos queriam ficar e reconstruir aquela parte da cidade que foi arrasada durante a guerra. Ele também foi um dos primeiros a se comprometer com a reconstrução de casas para os cristãos que retornaram após o cessar-fogo. Ele abriu um jardim de infância em Hama que chamou de “Esperança de vida” e pediu bolsas de estudo para que os jovens pudessem continuar sua formação o mais rápido possível.

Em Genebra e Bruxelas para falar sobre cristãos esquecidos

 

Sua contribuição foi enorme, destaca a Fundação, assim como sua dedicação em conscientizar o mundo sobre a terrível situação pela qual estavam passando. Em 2016 foi com a ACS a Genebra e Bruxelas para descrever a realidade que viviam os fiéis e denunciar o descaso internacional pelo desaparecimento da presença cristã na Síria, devido à perseguição e consequente emigração.

“Foram anos de estreita colaboração e graças ao zelo de Dom Selwanos pudemos realizar quase 40 projetos, em tempos de terrível sofrimento e guerra. É difícil resumir todo esse trabalho em poucas palavras, mas ele foi não apenas um baluarte de resistência contra o desespero e um lutador pela salvação da comunidade cristã, mas também um exemplo de ecumenismo. É uma grande perda - Regina Lynch, ACS”

11 dezembro 2020, 12:56