Busca

Vatican News
Cardeal O’Malley recebendo a vacina contra a Covid-19 Cardeal O’Malley recebendo a vacina contra a Covid-19  

Cardeal O’Malley se vacina contra a Covid-19 e encoraja os fiéis: “Venceremos esta pandemia”

O Arcebispo de Boston encorajou os fiéis a tomarem a vacina contra a Covid-19. Os recentes documentos da Igreja, com a aprovação do Papa Francisco, convidam todos a se vacinarem pois se trata de “uma importante ação de cuidado e preocupação com nossos entes queridos, nossas comunidades e a nossa nação, temos o dever moral de buscar o bem comum”

Vatican News

O Cardeal Seán P. O'Malley, Arcebispo de Boston, nos Estados Unidos, foi vacinado contra a Covid-19. A notícia foi dada pelo próprio cardeal, através de uma nota publicada no site diocesano, acompanhada por uma fotografia mostrando-o no momento da inoculação. O Arcebispo recebeu uma dose da vacina "Moderna" em 24 de dezembro, no Centro Médico St. Elizabeth, em Brighton. O reforço, ou segunda dose da vacina, está programada para o final de janeiro de 2021.

Ouça e compartilhe!

Venceremos a pandemia

Ao expressar sua gratidão a todos os profissionais da saúde envolvidos na luta contra a pandemia do coronavírus, o Cardeal O'Malley encorajou "todas as pessoas a se vacinarem quando lhes for oferecida a oportunidade", pois se trata de "uma importante ação de cuidado e preocupação com nossos entes queridos, nossas comunidades e a nossa nação". "Com a ajuda de Deus e da assistência médica", concluiu o Arcebispo de Boston, "venceremos a pandemia".

Aprovação do Papa Francisco

Recorda-se que, em 21 de dezembro, uma Nota da Congregação para a Doutrina da Fé, aprovada pelo Papa Francisco, afirma: "Embora a vacinação não seja, em regra, uma obrigação moral e que, portanto, deve ser voluntária", temos o dever de buscar o bem comum. Este bem comum, "na ausência de outros meios para deter ou mesmo prevenir a epidemia, pode recomendar a vacinação, especialmente para proteger os mais fracos e mais expostos". O mesmo Dicastério define, também, "um imperativo moral" para assegurar que "vacinas eficazes, bem como eticamente aceitáveis", sejam acessíveis "mesmo aos países mais pobres e de uma forma que não seja dispendiosa para eles", pois a falta de acesso às vacinas "se tornaria outro motivo de discriminação e de injustiça".

Coloca-se na mesma linha o documento conjunto divulgado na terça-feira (29) pela Comissão Vaticana Covid-19 e pela Pontifícia Academia para a Vida, que afirma que é uma responsabilidade moral aceitar a vacina, não só para a saúde individual, mas também para a saúde pública. Ao mesmo tempo, é enfatizado que as vacinas foram desenvolvidas como um bem público e devem ser fornecidas a todos de forma justa e equitativa, dando prioridade àqueles que mais necessitam.

Vatican News Service – IP

30 dezembro 2020, 13:16