Busca

Vatican News
Cardeal Wilton Daniel Gregory, arcebispo de Washington, EUA Cardeal Wilton Daniel Gregory, arcebispo de Washington, EUA 

Dom Wilton Gregory novo cardeal: "minha relação com o rebanho é prioritária"

Entrevista da Irmã Bernadette Mary Reis com novo Cardeal Wilton Gregory, arcebispo de Washington, EUA.

Vatican News

Irmã Bernadette: Posso chamá-la de Eminência agora...?

Cardeal Gregory: Obrigado, Irmã...

Dom Wilton, o senhor agora faz parte do Colégio Cardinalício, que tem a função de aconselhar o Papa e, eventualmente, elegê-lo. Seu ministério como Arcebispo poderá ser condicionado por este novo título?

«Acho que meu ministério em Washington não será implicado diretamente. Espero que o fato de ser membro do Colégio Cardinalício possa aumentar o carinho e a devoção do povo da Arquidiocese de Washington pelo Papa Francisco e seu ministério como Sucessor de Pedro. Acho que minhas atividades diárias não vão sofrer muitas alterações. Continuarei a visitar as paróquias, fazer reuniões, trabalhar no Centro Pastoral da Arquidiocese e dialogar com todos os órgãos consultivos da Arquidiocese. Portanto, como membro do Colégio de Cardeais, quando eu estiver em Washington manterei minhas atividades e meu serviço pastoral como Arcebispo de Washington».

O relatório sobre McCarrick foi publicado logo depois que o Papa o nomeou para o Colégio Cardinalício, que é, certamente, um ato de confiança, levando em consideração o fato de que McCarrick foi, infelizmente, seu antecessor. Em seu comunicado, divulgado após este relatório, o senhor recordou que todo sacerdote, no momento da ordenação, "promete ao Pai celeste colocar sempre seu povo em primeiro lugar". Como senhor pretende acompanhar a sua arquidiocese de Washington e como colocar em prática a definição que deu sobre o sacerdócio?

«Em minha resposta à publicação do relatório sobre McCarrick, quis recordar às pessoas, aos meus sacerdotes e, sobretudo, a mim mesmo, que a minha relação com o rebanho, que me foi confiado, deve ser prioritária como sacerdote e ministro ordenado. Tenho que proteger, cuidar, fortalecer e incentivar meu rebanho para que continue a viver e praticar a sua fé; quero animá-lo a manter as obras de caridade e solidariedade social, das quais a arquidiocese de Washington se orgulha com uma longa e bela história. Logo, a afirmação que fizer sobre o sacerdócio era mais uma promessa, mas também uma pró-memória para mim. Eu não me referia apenas sãos sacerdotes em geral, mas, de modo particular, para mim, como Padre Wilton Gregory».

A quem o senhor recorre, pessoalmente, para encontrar inspiração para o seu ministério como pastor e guia na Igreja Católica?

«Tenho um diretor espiritual, que deveria consultar com maior frequência, mas, naturalmente, estas últimas duas semanas não foram "normais" para mim. Porém, me consulto também com os meus irmãos sacerdotes e Bispos. Fiquei muito impressionado pelo nível de devoção, bondade e zelo genuíno dos nossos sacerdotes e diáconos: são homens de grande integridade e dedicação à sua missão eclesial. Eles foram fonte de inspiração, para mim, sobretudo neste período de isolamento por causa das restrições do corona-vírus. Os sacerdotes, diáconos e religiosos da arquidiocese, que compartilham comigo a pastoral arquidiocesana, me inspiraram muito com a sua criatividade: inventaram diversas iniciativas para envolver os fiéis. No entanto, em certas ocasiões, perceberam quanto é difícil viver neste período de pandemia. Ninguém entre nós - Bispos, sacerdotes, diáconos - jamais se encontrou a desenvolver seu ministério em circunstâncias semelhantes. Não dispomos de um manual para nos orientar como agir. Enfim, todo o nosso clero, religiosos e religiosas, leigos, ministrantes, pessoas do Centro pastoral foram muito criativos ao cumprir suas responsabilidades na Igreja local, da melhor maneira possível, nas atuais circunstâncias em que vivemos».

Ao responder a esta pergunta o senhor se refere, naturalmente, aos seus heróis. Nota-se, claramente, que seus heróis são os membros do Povo de Deus, que lhe foram confiados, não?

«Exatamente! Eles são os que me encorajam e animam, desde manhã, a desempenhar o meu trabalho com grande entusiasmo, zelo e esperança».

28 novembro 2020, 16:58