Busca

Vatican News

Dia Mundial dos Pobres: mensagem do assistente eclesiástico da Caritas Internacional

15 de novembro é o “Dia Mundial dos Pobres” e não “para os pobres”, porque com os pobres não se limita apenas a partilhar parte da riqueza, mas também se recebe algo deles, afirma mons. Pierre Cibambo. “Uma mão estendida é um sinal; um sinal que fala imediatamente de proximidade, solidariedade e amor. No Dia Mundial dos Pobres, juntos, estenderemos as nossas mãos como uma família humana na solidariedade global para construir sociedades inclusivas e equitativas e uma Igreja acolhedora e transformadora”, acrescenta ele

Vatican News

Ouça e compartilhe

“A mão que estendemos aos pobres não é apenas uma mão que distribui, mas também uma mão que precisa de ajuda. Precisamos dos pobres tanto quanto eles precisam de nós”: é o que afirma o assistente eclesiástico da Caritas Internacional, mons. Pierre Cibambo, numa mensagem difundida em vista do Dia Mundial dos Pobres, celebrado este domingo, 15 de novembro.

”Estende a tua mão ao pobre”

Mons. Cibambo ressalta que os pobres “desafiam-nos a tornarmo-nos cada vez mais verdadeiras testemunhas de Cristo”, “convidam-nos a abrir os nossos corações e a transformar a nossa visão estreita e mundana para ver Cristo”.

“A mensagem deste ano é: 'Estende a tua mão ao pobre' (Sir 7,32)", explica o assistente eclesiástico da Caritas Internacional. “Este é um convite apropriado para todos nós num ano em que muitos de nós nos fechamos ao mundo para nos protegermos da pandemia do coronavírus.”

A Caritas, acrescenta mons. Cibambo, “demonstrou que o amor não se fecha sobre si mesmo, nem rejeita os pobres e os mais vulneráveis, especialmente num momento em que estão em grande necessidade”, e também recorda que “a missão da Caritas é ouvir e acompanhar”, levada adiante por muitos voluntários e muitas pessoas que se dedicam de forma totalmente despojada à construção de um mundo melhor.

“A Caritas está no centro da Igreja”

Em sua mensagem, mons. Cibambo frisa que, como vários pontífices reiteraram, “a Caritas está no centro da Igreja” e que o Dia Mundial dos Pobres é um momento para recordar e reforçar a dedicação para colocar os pobres no centro, para os ajudar e para fazer ouvir as suas vozes.

“A nossa missão – prossegue o assistente eclesiástico da Caritas Internacional – é ‘assegurar que as pessoas que vivem na pobreza tomem parte ativa na construção de uma sociedade inclusiva e equitativa, de uma Caritas transformadora e uma Igreja acolhedora’.”

Em Cristo somos todos uma só coisa

Em seguida, o prelado evidencia que 15 de novembro é o “Dia Mundial dos Pobres” e não “para os pobres”, porque com os pobres não se limita apenas a partilhar parte da riqueza, mas também se recebe algo deles.

“Numa verdadeira comunidade cristã não há membros que dão e outros que recebem. Há somente pessoas próximas que partilham, porque em Cristo somos todos uma só coisa”, destaca a mensagem.

Mão estendida: proximidade, solidariedade e amor

Por fim, mons. Cibambo encoraja a refletir sobre o que se aprende com os pobres a nível pessoal e comunitário, e conclui:

“Uma mão estendida é um sinal; um sinal que fala imediatamente de proximidade, solidariedade e amor. No Dia Mundial dos Pobres, juntos, estenderemos as nossas mãos como uma família humana na solidariedade global para construir sociedades inclusivas e equitativas e uma Igreja acolhedora e transformadora.”

Vatican News – TC/RL

13 novembro 2020, 15:17