Busca

Vatican News

Sri Lanka. Dia Mundial das Missões: doar a quem sofre a misericórdia de Deus

“Pensando na Covid-19 que tem tirado a vida de milhares de pessoas e causado o aumento da pobreza, insegurança e depressão, propriamente neste momento de sofrimento, a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Missões 2020 é um convite e um desafio dirigidos a cada um de nós”, afirma a religiosa Irmã Lilly Rose, da direção nacional das Pontifícias Obras Missionária no Sri Lanka, em vista do Dia Mundial das Missões, a ser celebrado em 18 de outubro

Vatican News

Ouça e compartilhe

“A pandemia da Covid-19 é a melhor ocasião para compreender e experimentar que nosso chamado implica ajudar os pobres, passar tempo com quem sofre, mover nossos corações pelos indefesos e desesperados, para levar a misericórdia e o amor de Deus Pai a cada homem.”

Foi o que escreveu à Fides – agência missionária da Congregação para a Evangelização dos Povos – a religiosa cingalesa das Filhas de Maria Auxiliadora, Irmã Alexander Lilly Rose, da direção nacional das Pontifícias Obras Missionárias no Sri Lanka (país insular localizado no oceano Índico), na vigília do mês de outubro, dedicado às missões, e em vista do Dia Mundial das Missões, a ser celebrado no próximo dia 18 de outubro.

Chamado do Papa

“O chamado do Papa nestes tempos difíceis é um impulso para nós religiosos, sacerdotes e leigos batizados: não podemos permanecer ‘enterrados atrás da porta fechada’ em busca de segurança e preocupados com nosso bem-estar. Os protocolos antivírus existentes deixaram nas pessoas uma necessidade desesperada de relações sociais e empatia mútua: podemos ser faróis de esperança e sinal da certeza da presença de Deus no sofrimento”, prossegue a religiosa.

“Em primeiro lugar, invoquemos o Senhor Todo-Poderoso, deixemo-nos impregnar da Sua presença divina. Direcionemos nossas energias juntas, dando sinal de estarmos unidos em oração, sendo uma Igreja de joelhos que confia em Deus para a luta contra o vírus e seus efeitos nocivos.”

“Eis-me aqui, envia-me”

“Em segundo lugar, ousemos dizer: Eis-me aqui, envia-me, Senhor, em todas as circunstâncias difíceis, para que, com a graça de Deus, em nossa incapacidade e fragilidade, Ele permita que Sua onipotência penetre no coração dos homens, realizando milagres.”

Comentando a Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Missões, intitulada: “Eis-me aqui, envia-me” (Is 6,8), a irmã acrescenta: “A missão é uma resposta livre e consciente ao chamado de Deus; um chamado à missão só pode ser percebido quando temos uma relação pessoal de amor com Jesus presente em sua Igreja”.

Toda vocação é um chamado

“O chamado não é uma carreira. Uma carreira promete status, dinheiro ou poder. Uma carreira é algo que fazemos por nós mesmos, mas o chamado é algo que fazemos por Deus e seu povo. Há dificuldades, sofrimento, sacrifício, satisfação, contentamento e a oportunidade de ser chamados e de ser instrumentos nas mãos de Deus”, destaca a religiosa.

“Um chamado contínuo, até que O encontremos na eternidade. O Senhor nos chama pessoalmente e nossa resposta é única. Toda vocação é um chamado a viver na fé e a dar luz, paz, compaixão à humanidade.”

Descobrir nosso próprio chamado

Por fim, a irmã Lilly Rose observa que “o chamado está muitas vezes ligado ao que nos perturba profundamente”, como foi o caso de Moisés. Então, conclui ela, devemos “descobrir nosso próprio chamado, começando a rezar pelo que nos perturba profundamente”.

“Pensando na Covid-19 que tem tirado a vida de milhares de pessoas e causado o aumento da pobreza, insegurança e depressão, propriamente neste momento de sofrimento, a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Missões 2020 é um convite e um desafio dirigidos a cada um de nós.”

(Fides)

01 outubro 2020, 10:48