Busca

Vatican News
Comemoração Santos e Finados Comemoração Santos e Finados 

Reflexão Todos os Santos e Finados

Um coisa é certa, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor e sabemos que pela misericórdia de nosso Bondoso Deus, nossa família estará reunida na Casa do Pai.

Padre César Augusto, SJ - Vatican News

A liturgia, neste final de semana, nos oferece a oportunidade de meditarmos sobre nossa vocação de sermos-para-a-vida, ou seja, não só sobre nossa finitude, mas para o além dela, sobre o além túmulo, sobre o nosso desejo de eternidade.

Começamos com a Festa de Todos os Santos, quando refletimos sobre a concretização de nossa vocação à realização plena como seres humanos. O homem jamais aceitou sua aparente vocação de ser-para-o-nada, mas sempre, insatisfeito, quis algo mais; ele é insaciável. Podemos tomar como exemplo seu desejo de conhecimento acadêmico, depois da graduação em uma faculdade, faz mestrado, depois doutorado, depois vários cursos de pós doutorado e sempre continua aberto ao saber mais; comprou uma casa confortável, quer uma mansão, depois um palácio e sempre desejando algo melhor; poderemos nos perguntar o porquê de ser insaciável e a resposta vem porque foi criado à imagem de Deus, do infinito, do Absoluto.

Ouça e compartilhe

A segunda leitura do dia de Todos os Santos, extraída da Primeira Carta de João 3, 1-3, nos diz que somos “chamados filhos de Deus! E nós o somos!” Filho de peixe, peixinho é, diz um adágio popular! Ora, se Deus é nosso Pai e fomos criados à sua imagem e semelhança, será muito comum nossa aversão à finitude, nosso desejo de eternidade e nossa capacidade de amar sem limites e de perdoar incondicionalmente. Tudo isso é reflexo do Eterno em nós. João diz também em sua carta que “quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele”, ora, Jesus é o Homem perfeito, a imagem encarnada de Deus, Emanuel, Deus Conosco! Em Jesus temos todos os atributos divinos. Sendo homem, assumindo todo o nosso modo de ser, todas as nossas fraqueza, exceto o pecado, como diz São Paulo, Jesus transformou o simples homem, ser-para-a-morte, em Homem Perfeito, ressuscitado, ser-para-a-Vida!

No Evangelho, o mesmo do dia de Finados, Mateus 5, 1-12, vemos as qualidades dos ressuscitados, ou seja, dos homens que superaram a morte e estão realizados junto ao Eterno, ao Senhor da Vida, o Deus do Amor, o Pai dos Santos, o nosso Pai. Os atributos daqueles que não mais se examinam com o Decálogo, mas sim, com as Bem-Aventuranças: em suas vidas sob o poder da morte, foram injuriados, perseguidos por causa da justiça, sofreram mentiras com o pronunciamento de todo mal contra eles mesmos por causa de Jesus. Todos esses deverão se alegrar e exultar porque será grande a recompensa deles na eternidade, terão o Reino dos céus!

E aqueles que, apesar de batizados, de terem feito a opção por Cristo e renunciado a Satanás, de terem “aos trancos e barrancos” se esforçado por uma vida cristã, mas sem grande sucesso, pois as sombras disputaram muito o lugar das luzes e às vezes até tiveram êxito, como ficam nisso tudo? Seguindo a frase de Jesus de que deveremos temer não aqueles que tiram vida mortal, mas a eterna e a dos anjos na manhã da ressurreição, por que procuram entre os mortos aquele que está vivo? Dentro dessas frases poderemos perceber que nem todos aqueles que deram o “último suspiro”, de fato estão sob o domínio da morte. Muitos, sendo fiéis até o fim, estão na glória junto a Deus e se tornaram nossos intercessores, são os santos, mesmo não tendo seus nomes escritos pelo Papa no Catálogo dos Santos, mas nós que conhecemos suas vidas, sabemos disso.  E aqueles que não tiveram a sorte de terem sido fiéis às promessas batismais e morreram sem um arrependimento adequado? Aqueles que denominamos almas do Purgatório?

A esses dedicamos tantas santas missas e na intenção deles, dirigimos ao Senhor da Vida, nossas orações, sacrifícios e boas obras.  Se eles não precisarem mais, ótimo, o Senhor saberá a quem favorecer. As orações em sufrágio tem sentido. E todos eles são comemorados no dia 2 de novembro. Visitamos seus túmulos, os ornamos com flores, rezamos e recordamos seu amor por nós e suas qualidades e testemunhos cristãos que herdamos, e isso fazemos para todos, estejam já no céu ou ainda a caminho.

Um coisa é certa, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor e sabemos que pela misericórdia de nosso Bondoso Deus, nossa família estará reunida na Casa do Pai, onde O louvaremos por todos os séculos dos séculos, Amém!

31 outubro 2020, 08:00