Busca

Vatican News
Procissão na Sexta-feira Santa em Amritsar, Índia Procissão na Sexta-feira Santa em Amritsar, Índia  (AFP or licensors)

Índia: ao se recusarem a adorar ídolos, famílias cristãs são atacadas no Estado de Chhattisgarh

98,3% dos 23 milhões de habitantes do Estado de Chhattisgarh são hinduístas; os muçulmanos representam 1 por cento e os cristãos, principalmente tribais, respondem por 0,7 por cento.

Vatican News

Nos dias 22 e 23 de setembro, grupos tribais atacaram e vandalizaram as casas de cristãos que nos últimos dias se recusaram a adorar os ídolos da religião tribal Sarna, em cinco aldeias de Kondagaon, no Distrito de Bastar, Estado de Chhattisgarh. A informação é da agência UCA News.

Dom Joseph Kollamparampil, bispo de Jagdalpur, confirmou que os conflitos entre os dois grupos surgiram quando os cristãos se recusaram a seguir a tradicional religião Sarna e adorar seus ídolos. A recusa criou uma tensão que rompeu a paz que costuma imperar entre os dois grupos. O próprio bispo sublinhou que em sua igreja promove a tradição e a cultura tribal, “mas não o culto aos ídolos”.

O presidente do Chhattisgarh Christian Forum, Arun Pannalalal, disse que cerca de 2.000 aldeões vandalizaram as casas de pelo menos 14 famílias cristãs e essas famílias, com mais de 50 membros, foram forçadas a abandonar sua fé. O Fórum, então, solicitou uma investigação e indenização de 1 milhão de rúpias (13.560 dólares) para cada uma das famílias atingidas.

 

O inspetor-geral da polícia, P. Sundarraj, falou em vez disso de confrontos devido à invasão de áreas florestais nas aldeias de Kakadabeda, Singanpur e Silati, e de um destacamento da polícia para a região para evitar o agravamento da situação. No entanto, ele admitiu a existência de problemas entre os moradores e as famílias que, aderindo ao cristianismo, não queriam mais seguir os costumes locais.

Neste meio tempo, a Evangelical Fellowship of India (EFI) - uma aliança nacional de cristãos evangélicos que inclui mais de 54 denominações protestantes e congregações afim e mais de 200 missões e organizações relacionadas à Igreja - exortou o primeiro-ministro Bhupesh Baghel a proteger os cristãos dos contínuos ataques.

Em 28 de setembro, o reverendo Vijayesh Lal, secretário-geral do EFI, escreveu a Baghel relatando o incidente. Apesar das denúncias apresentadas, Lal enfatizou que nenhuma ação foi tomada e as autoridades forçaram as vítimas a aceitar com um acordo.

98,3% dos 23 milhões de habitantes do Estado de Chhattisgarh são hinduístas; os muçulmanos representam 1 por cento e os cristãos, principalmente tribais, respondem por 0,7 por cento.

Vatican News Service - AP

02 outubro 2020, 13:03