Busca

Vatican News
Sede da Ordem dos Cavaleiros de Malta em Roma Sede da Ordem dos Cavaleiros de Malta em Roma  (ANSA)

IX centenário do Beato Gerardo, fundador dos Cavaleiros de Malta

“O mandamento do amor é o distintivo que nos fará reconhecer como discípulos autênticos de Jesus”. Palavras do cardeal Angelo Becciu na homilia pelos 900 anos do nascimento do monge Beato Gerardo, fundador dos Cavaleiros de Malta

Vatican News

Na manhã desta quinta-feira (03/09) na igreja de São Pedro in Scala, em Salerno, foi realizada a solene celebração pelos 900 anos do nascimento do Beato Gerardo, monge fundador da Ordem de Malta no ano de 1048. A cerimônia foi presidida pelo Cardeal Angelo Becciu, Delegado Especial da Ordem Soberana Militar de Malta e Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos. Na sua homilia o cardeal descreveu o fundador da Fraternidade de São João - que mais tarde se tornaria a Ordem dos Cavaleiros de Malta - como um monge capaz de dar amor através do serviço, com uma fé inabalável a ponto de ir até a Terra Santa antes da viagem de São Francisco de Assis.

Ouça e compartilhe!

Deus no centro de tudo

Ao recordar o lema do frei Gerardo 'tuitio fidei et ubesquium pauperum', Dom Becciu enfatizou que para o Beato, Deus está no centro de tudo, assim como a necessidade de amar, mas também de dar testemunho deste amor com a fé e a evangelização. É a missão da Igreja à qual o Papa Francisco recordou várias vezes aos consagradas, mas também a todos os fiéis leigos batizados: "Gerar mudança despertando maravilha e compaixão".

Trazer o paraíso à Terra

"Amar os outros como ele ama a Deus não é uma opção, não é um corolário na vida da Igreja, mas é um requisito primordial, é o mandamento do amor - lembra o cardeal Becciu - o distintivo que nos fará reconhecer como discípulos autênticos de Jesus". Este é o alcance inovador do cristianismo, o genialidade de Cristo: trazer um pedaço do paraíso à terra, que é, precisamente, o amor. Mas esta é também a mensagem que o Beato Gerardo deixa a seus confrades e a todos nós: viver e difundir a missão da Igreja e a própria vocação sem ceder; só assim se pode tornar o sofrimento dos mais necessitados mais suportável e o próprio testemunho mais acreditável. A propósito de testemunho, o cardeal recordou o quanto os Cavaleiros de Malta mostraram sua propensão para o serviço, ao socorrer as populações necessitadas, sobretudo na Itália, onde, com a emergência da Covid, estavam na linha de frente ao lado dos desabrigados e dos idosos necessitados de assistência.

Vatican News Service - RB

03 setembro 2020, 12:42