Busca

Vatican News

A Solenidade da Assunção de Maria dissipa os temores da pandemia

Durante o período de quarentena, por causa do Covid-19, a devoção a Maria aumentou no mundo inteiro. Este dia 15 de agosto, Solenidade da Assunção de Maria, que no Brasil é celebrado neste domingo, torna-se o ponto culminante de um percurso, no qual se elevaram ardentes e carinhosas invocações de ajuda mariana dos quatro Continentes. Padre Geraldo de Paolo, reitor do Santuário mariano do Amor Divino, em Roma, reflete sobre o tema: "A Assunção de Maria indica ao homem qual o seu destino eterno".

Federico Piana/Manoel Tavares - Vatican News

À luz do período difícil e incerto, que a humanidade está atravessando, devido à pandemia, que já causou cerca de 760 mil vítimas no mundo, a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora ao Céu, que se celebra neste sábado, 15 de agosto, reveste-se de uma importância bem mais intensa. As normas contra o contágio obrigaram as comunidades cristãs, no mundo inteiro, a celebrar seus ritos, procissões e festas, de forma mais contida e restrita. Hoje, a Solenidade mariana representa o ponto alto de um percurso de amor e devoção marianos, intensificados no período de quarentena. Com efeito, naqueles dias, multiplicaram-se, nos cinco Continentes, as devotas invocações a Maria, mediante a oração do terço, coletivo online, as procissões virtuais e os atos de consagração ao seu Coração Imaculado.

A virgem, nossa Mãe

“Maria sempre esteve presente na prática da piedade popular - afirma o Padre Geraldo de Paolo, reitor do Santuário romano de Nossa Senhora do Amor Divino -. Desde as origens, os fiéis dedicavam uma atenção amorosa à Mãe de Jesus. Com o tempo, esta devoção mariana se concretizou com os Dogmas da Igreja, proclamados ao longo da história, confirmando a sua fé no Filho de Maria: Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem. Por que nos dirigimos à intercessão de Nossa Senhora? Porque ela é a Mãe, a nossa Mãe”.

A Assunção ao Céu indica o destino do homem

O Dogma da Assunção de Maria ao Céu, de corpo e alma, foi proclamado pelo Papa Pio XII, durante o Ano Santo de 1950, com a Constituição apostólica “Munificentissimus Deus”. “Sabemos – explica o Padre Geraldo - que este foi o quarto e último dos Dogmas marianos, além dos da Imaculada Conceição, de Maria Mãe de Deus e da Virgindade perpétua de Maria, antes, durante e depois do parto. Para nós cristãos, a afirmação de que Maria foi elevada ao Céu, de corpo e alma, tem um significado muito importante: Maria é uma criatura humana e nos indica o nosso destino”.

Revelação do profundo significado da existência

Para constatar a certeza da nossa esperança, o Padre Geraldo de Paolo cita a Constituição dogmática sobre a Igreja, “Lumen Gentium”, do Concílio Vaticano II, que diz: “Maria é um sinal de esperança segura para o Povo de Deus, que peregrina na história'. Por isso, olhando a Maria, vislumbramos nosso destino final. Assim, a Solenidade de hoje nos oferece um dom seguro, que alimenta a nossa esperança na vida, que o Senhor preparou para todos os que nele creem”. Enfim, a Solenidade deste dia 15 de agosto, leva-nos a compreender o verdadeiro e pleno sentido da nossa existência.

O abraço de Maria

O reitor do Santuário de Nossa Senhora do Divino Amor não pode deixar de expressar seu pesar pela impossibilidade de oferecer a Maria a tradicional peregrinação, que os milhares de fiéis romanos sempre fizeram a pé ao seu Santuário, às vésperas da Solenidade da Assunção. “Desde o sábado após a Páscoa até o último sábado de outubro - diz o reitor – fazemos as tradicionais peregrinações noturnas a pé. Este ano, ainda não pudemos fazer. A peregrinação da Assunção é uma das mais importantes. No entanto, decidimos fazer celebrações ao ar livre, neste dia mariano, de manhã até à noite. Depois da quarentena, notamos um aumento crescente da visita de fiéis ao Santuário. Aqui, fazemos a experiência de um verdadeiro abraço!” Certamente, o abraço de uma Mãe.

15 agosto 2020, 08:58