Busca

Vatican News
Pescadores na Amazônia Pescadores na Amazônia 

Os jesuítas estão completando 25 anos de presença na Amazônia

Em 31 de julho, festa de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, foi inaugurado oficialmente o Ano Jubilar de 25 anos de serviço itinerante, institucional da família inaciana na Amazônia. O padre David Romero, superior da Preferência Amazônica fala da importância desse evento.

Vatican News

Nos dias passados foi apresentado um vídeo sobre os 25 anos da presença dos jesuítas na Amazônia. Eis o que disse o padre David Romero, superior da Preferência Amazônica:

“Olá queridos irmãos e queridas irmãs! Hoje, 31 de julho, festa de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, inauguramos oficialmente o Ano Jubilar de 25 anos de serviço itinerante, institucional da família inaciana na Amazônia!

Santo Inácio nasceu no final do século quinze na região norte da Espanha. Depois da conversão dele, marcou profundamente a espiritualidade cristã naquele tempo e até hoje. O carisma inaciano promove o espírito missionário, a experiência do amor incondicional de Deus, a busca de encontrar Deus em todas as coisas e em tudo amar e servir. Esse mesmo carisma inaciano levou a Companhia de Jesus no Brasil a criar no dia 02 de maio de 1995 o Distrito dos Jesuítas da Amazônia. A criação do Distrito significou a importância da região Amazônica para Brasil e para o mundo. A criação do Distrito também reconheceu a necessidade de sustentar o corpo apostólico, definir a sua identidade e articular a missão nesta região. 

O primeiro superior do Distrito, P. Claudio Perane, inspirava as pessoas e continua a inspirar por duas linhas: 1)A de ter coragem e ter ousadia diante dos desafios e dificuldades; 2) A de deixarmo-nos guiar pelo Espírito. Outros jesuítas e muitos leigos e leigas, religiosos e religiosas também participaram e colaboraram na missão de Cristo aqui na Amazônia e outros ainda colaboram. Por isso, a importância de comemorar estes 25 anos. Nós desejamos ao longo de todo esse ano jubilar refletir e aprofundar o sentido desta presença da família inaciana na Amazônia.

Diante de tudo isso, quero agradecer em nome da Preferência Apostólica Amazônia todas as pessoas que fazem parte desta história. Convido vocês para saborear as vitórias, luzes e avanços desde 1995. Pedimos humildemente o conhecimento interno do Senhor para mais ama-lo e segui-lo. Queremos encerrar este Ano Jubilar no dia 02 de maio de 2021 colhendo os frutos deste processo para dar continuação a nossa missão na Amazônia.

Que Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da PAAM, interceda por nós agora e ao longo deste Ano Jubilar!

O padre David Romero, superior da Preferência Amazônica conversou com o padre Modino para o Vatican News sobre os 25 anos da presença dos jesuítas na Amazônia….

Ouça e compartilhe

Para marcar este momento foi apresentado o selo comemorativo que traz três importantes elementos para refletir estes 25 anos.

LEITURA

·         O primeiro símbolo é o da ÁGUA. Este é um elemento sagrado para os povos indígenas e tradicionais na região em sua cultura e espiritualidade, e para toda vida humana é essencial. A ÁGUA é fonte de vida! Inspirados pela passagem bíblica “O Espírito de Deus pairava sobre as águas” no livro do Gênesis onde narra-se o início da criação do mundo, assim também enxergamos a Companhia de Jesus a pairar sobre estas águas abundantes, a Bacia Amazônica, a maior bacia hidrográfica do mundo, movida por este mesmo Espírito de Deus. E, aqui, nestas águas vivificar sua missão de maneira encarnada. O símbolo da ÁGUA aqui na Amazônia está diante dos olhos, está nos rios navegáveis que conecta-se aos oceanos e também a um modo de vida próprio, está na fala do povo quando dizem: “na Amazônia as coisas acontecem no tempo das águas”, está na relação espiritual com este elemento tido como sagrado, está nas lutas por este “bem” e também está no sangue dos mártires desta terra. Por isso este símbolo nos pareceu essencial. E, não uma ÁGUA parada, mas em movimento.

·         O segundo símbolo é o BARCO. Este símbolo é uma realidade muito presente na vida e mobilidade dos povos amazônicos, seja o que possui uma construção mais simples como as canoas, seja o que possui uma mais elaborada como os barcos de transporte hidroviário, principal meio de locomoção por aqui. Fomos inspirados por este símbolo por meio da contemplação bíblica de Jesus presente no barco com seus discípulos transmitindo-lhes confiança e fé, mesmo diante de turbulentas tempestades. Desafios inerentes encontramos na realidade amazônica que nos pedem os mesmos sentimentos, confiança e fé em Jesus. Há 25 anos a Companhia de Jesus no serviço itinerante e institucional construiu o seu barco nesta região. E, neste barco já entrou e saiu muita gente que colaborou e outros que agora colaboram com a missão. Mas, este barco não tem um destino reto, é dinâmico, movido pela direção que o Espírito de Deus aponta. Por isso, ao ser elaborado em nosso selo comemorativo a PROA do marco foi pensada em uma direção de movimento. Pois, assim vivemos na Companhia e na Amazônia, movidos pelo Espírito.

·         O Terceiro elemento é a Vitória-Régia. Queríamos trazer algo simbólico da exuberância da floresta, de sua grandiosidade e beleza. Encontramos na Vitória-Régia essa característica. A vitória -Regia é a maior planta aquática do mundo e é presente em alguns países da Amazônia. Também é a maior flor das Américas. No Brasil, ela só é encontrada em nossa região norte. Estamos falando da maior planta aquática na maior bacia hidrográfica do mundo. Isso nos diz muito sobre a importância da Amazônia e o respeito e cuidado que devemos ter com a nossa Casa Comum.

06 agosto 2020, 09:22