Busca

Vatican News

Argentina. 7 de agosto, Festa de São Caetano, Padroeiro do pão e do trabalho

Conhecido como o “Padroeiro do pão e do trabalho”, São Caetano é muito venerado em Buenos Aires, cidade que lhe dedicou dois grandes Santuários. “Quando as portas destes Santuários são abertas, a esperança e a providência também são abertas, porque para aqueles que buscam Deus através de Seus Santos, Deus nunca solta a mão”, afirma em mensagem em vídeo o cardeal Poli

Vatican News

Ouça e compartilhe

“Estamos num momento difícil, o tema do trabalho é uma preocupação de todos”: são palavras do arcebispo de Buenos Aires e primaz da Argentina, cardeal Mario Aurelio Poli, contidas na mensagem em vídeo difundida para a Festa de San Caetano, cuja memória litúrgica é celebrada no dia 7 de agosto.

Conhecido como o “Padroeiro do pão e do trabalho”, São Caetano é muito venerado em Buenos Aires, uma cidade que lhe dedicou dois grandes Santuários. “Quando as portas destes Santuários são abertas, a esperança e a providência também são abertas, porque para aqueles que buscam Deus através de Seus Santos, Deus nunca  solta a mão”, afirma o cardeal.

“Através de São Caetano e muitos outros santos Deus tem mostrado muitas graças, tanto materiais como espirituais, das quais precisamos para continuar seguindo adiante”, acrescenta o purpurado.

Deus sabe como ouvir as orações das pessoas

Este ano, por causa da pandemia da Covid-19, a festa do Santo será celebrada de maneira diferente: de fato, as peregrinações não serão possíveis, em respeito às normas sanitárias anti-contágio.

Por esta razão, o arcebispo de Buenos Aires convida os fiéis a “rezar em casa, montando um pequeno altar doméstico e acendendo uma vela votiva”. “Deus sabe como ouvir as orações das pessoas, onde quer que se encontrem”, frisa o cardeal.

Em todo caso, as missas serão celebradas nos Santuários sem a participação das pessoas e serão transmitidas ao vivo pela televisão e em streaming pela web. “Rezaremos segundo as intenções de todos. Se nas casas há dor pelo que estamos passando, não falte a alegria da fé”, enfatiza.

Peregrinação feita não com os pés, mas com o coração

“Que o Senhor nos conceda tudo isso, e sobretudo que não falte em todas as casas o necessário para a alimentação, o trabalho e a saúde.” Que esta peregrinação – foi seu encorajamento final – “seja feita não com os pés, mas com o coração” para transformar “toda angústia em esperança”.

O Santuário de São Caetano (San Gaetano de Thiene) está localizado no bairro de Liniers, na periferia da cidade de Buenos Aires. Todos os anos, no dia 7 de agosto, na memória litúrgica da morte do santo, milhares de fiéis fazem fila para passar diante da estatueta de São Caetano, beijar o vidro do pequeno nicho que a contém e fazer o sinal da cruz.

“A fila serpenteia por 15 ruas da cidade e dura o dia inteiro. A espera pode durar até 10 horas. A cada hora, no Santuário, celebra-se a santa missa. A celebração principal é a das 11h.”

Papa Francisco: construir cultura do encontro

Como arcebispo de Buenos Aires, o então cardeal Bergoglio presidia a celebração da Festa de São Caetano e, no final da missa, caminhava na direção oposta da fila dos fiéis para falar com eles, ouvir suas histórias e abençoar as crianças.

Em 2013, ano de sua eleição à Cátedra de Pedro, o Papa Francisco enviou para 7 de agosto uma mensagem em vídeo aos fiéis de Buenos Aires. “Como todos os anos, depois de ter percorrido a fila, falo com vocês. Desta vez, percorri a fila com o coração”, disse o Papa sete anos atrás.

“Estou um pouco distante e não posso compartilhar com vocês este momento tão bonito (...) Com Jesus e São Caetano, vamos ao encontro dos mais necessitados! O que Jesus nos ensina, antes de mais nada, é a nos encontrar e, encontrando, ajudar. Devemos saber nos encontrar. Devemos edificar, criar, construir uma cultura do encontro”, exortou Francisco na referida mensagem em vídeo.

Vatican News Service – IP/RL

07 agosto 2020, 07:41