Busca

Vatican News
D. José Traquina, Bispo de Santarém (Portugal), em Fátima D. José Traquina, Bispo de Santarém (Portugal), em Fátima  (AF_SantuarioFatima)

Acolhimento aos migrantes, “uma necessidade e um bem para Portugal”

D. José Traquina, bispo de Santarém e Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e da Mobilidade Humana presidiu à Peregrinação Internacional Aniversária de agosto que este ano integrou a Peregrinação dos Migrantes sob o tema ‘Entre a incerteza e a esperança há uma ponte em construção’.

Domingos Pinto – Lisboa

“Os homens e mulheres que eram como ovelhas sem pastor, são hoje os atuais milhões de pobres em todo o mundo, os milhões de refugiados que têm de fugir como Jesus para terem vida, os migrantes que, por desconhecimento das formas legais de emigrar, são explorados por contrabandistas e traficantes, os milhões de pessoas deslocadas forçadamente dentro do seu próprio país, por falta de segurança. Todos estes têm direito à festa nupcial”.

Ouça e compartilhe!

Palavras de D. José Traquina, Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e da Mobilidade Humana, que presidiu à Peregrinação Internacional Aniversária de agosto em Fátima, este ano com a particularidade de integrar também a Peregrinação dos Migrantes, um dos pontos altos da 48.ª Semana Nacional das Migrações que termina este domingo, 16 de agosto.

Uma reflexão na homilia na eucaristia de enceramento a partir do relato do Evangelho onde é descrito o episódio da festa de casamento em Caná da Galileia, para afirmar que sendo a festa um sinal de “alegria comunitária” que “dá sentido à vida humana”, todos têm o direito a participar na festa “convocada por Deus”.

D. José Traquina lamentou que a pandemia do Covid-19 tenha limitado a convocação de festas e convívios, mas realçou que a situação “acentuou” a consciência de que grande parte das festas populares tem a sua origem na Igreja e , o cancelamento das celebrações fez promover “sinais essenciais”.

O prelado convidou os peregrinos no santuário de Fátima a permanecer no “amor indestrutível” que é celebrado em cada Eucaristia, “o grande sacramento da Igreja que suscita e alimenta o zelo apostólico e a prática da caridade”.

Marcante foi também o desafio de D. José Traquina na vigília desta peregrinação no sentido de um maior envolvimento dos cristãos no acolhimento aos migrantes, “uma necessidade e um bem para Portugal”, e lançou um novo apelo a pensar na dramática situação em Cabo Delgado, em Moçambique, onde “existem mais de 250 mil pessoas deslocadas”.

“Não admira, portanto, que seja naquela região de Moçambique que se encontra a maior densidade de pessoas atingidas pelo coronavírus naquele país. De Portugal já foram promovidas diversas iniciativas de apoio, mas a necessidade é grande. Porém, é urgente que seja encontrada uma solução para travar os combates armados que atingem pessoas inocentes”, sublinhou.

 

17 agosto 2020, 10:03