Busca

Vatican News
Religiosas em auxílio às famílias mais necessitadas Religiosas em auxílio às famílias mais necessitadas  (Mariusz Krawiec)

Irmãs do Bom Pastor: 4 mil religiosas atuam em mais de 70 países

A Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor, fundada na França, em 1835, por Santa Maria Eufrásia Pelletier, conta hoje com 4 mil religiosas, presentes em mais de 73 países, a serviço dos mais pobres e marginalizados.

Vatican News

No Líbano, as religiosas, com o apoio da Fundação Internacional Bom Pastor, atuam em vários campos de apostolado: prestam assistência às famílias mais necessitadas, não apenas libanesas, mas aos migrantes e refugiados, às pessoas mais vulneráveis que enfrentam graves problemas de integração e inclusão no sistema social e educacional libanês; acompanham o desenvolvimento das aptidões e capacidades das mulheres e moças, em nível pessoal, familiar, social e profissional, assegurando-lhes melhores oportunidades de futuro; dão abrigo, proteção e assistência social, jurídica e psicológica, às mulheres e moças, vítimas de violência ou exploração de famílias desfavorecidas; enfim, promovem uma cultura de paz e diálogo entre os grupos sociais, étnicos e religiosos, segundo o carisma e a missão das Irmãs do Bom Pastor.

Entre os vários projetos da Congregação, destaque para o Centro Social Santo Antônio, em Sehailé, uma aldeia situada na periferia ao norte de Beirute, onde, desde 1981, as Irmãs oferecem alojamento, proteção e ajuda às jovens, dos 6 aos 17 anos, vítimas de violência doméstica ou que têm uma situação econômica e familiar difíceis: alcoolismo, drogas, incesto ou casamento forçado. Este centro de assistência representa um ponto de referência para os que acreditam que, no Líbano, é possível uma convivência pacífica, mas também uma sociedade inclusiva.

Já no Centro Social Roueisset-Jdideh, da Congregação do Bom Pastor, que oferece às famílias vários meios de promoção e inclusão dos refugiados, as crianças são encaminhadas a frequentar programas escolares individualizados.

L’Osservatore Romano

09 agosto 2020, 08:37