Busca

Vatican News

Turquia. Patriarca Kirill: Santa Sofia mantenha seu status de museu

Numa declaração divulgada esta segunda-feira (06/07), o patriarca da Igreja ortodoxa russa se expressa sobre a proposta de converter a preciosidade bizantina numa mesquita e lembra que a basílica é de grande importância para toda a ortodoxia e particularmente cara à Igreja Russa. Para o Patriarca de Moscou e de todas as Rússias, Kirill, a ameaça a Santa Sofia é também uma ameaça para toda a civilização cristã

Vatican News

Ouça e compartilhe

O patriarca de Moscou e de todas as Rússias, Kirill, manifesta profunda preocupação “com o pedido de alguns políticos turcos para reconsiderar o status de museu da basílica desconsagrada de Santa Sofia em Istambul, na Turquia, “um dos maiores monumentos da cultura cristã”.

Basílica é de grande importância para o mundo ortodoxo

Numa declaração divulgada esta segunda-feira (06/07), o patriarca da Igreja ortodoxa russa se expressa sobre a proposta de converter a preciosidade bizantina numa mesquita e lembra que a basílica é de grande importância para toda a ortodoxia e particularmente cara à Igreja Russa, tendo também no passado inspirado arquitetos russos em Kiev, Novgorod e Polotsk.

“Na história das relações entre a Rússia e Constantinopla houve vários momentos, por vezes muito difíceis”, lembra o patriarca Kirill.

Ameaça a Santa Sofia é ameaça a toda civilização cristã

“Entretanto, com amargura e indignação, o povo russo respondeu no passado e agora responde a qualquer tentativa de degradar ou espezinhar a herança espiritual milenar da Igreja de Constantinopla.”

Para o Patriarca de Moscou e de todas as Rússias, a ameaça a Santa Sofia é também uma ameaça para toda a civilização cristã. “É dever de todo Estado civil manter o equilíbrio, reconciliar a sociedade e não agravar a discórdia, unir as pessoas e não dividi-las”, ressalta.

Patriarca espera prudência por parte do governo turco

Em sua declaração, o patriarca Kirill acrescenta que “hoje as relações entre a Turquia e a Rússia estão se desenvolvendo de modo dinâmico” e que se deve “levar em consideração que a Rússia é um país onde a maioria da população professa a ortodoxia e que que aquilo que poderia acontecer com Santa Sofia causaria grande dor ao povo russo”.

Por fim, o patriarca espera prudência por parte do governo turco e defende que “a preservação do atual estado neutro de Santa Sofia, uma das maiores obras-primas da cultura cristã e uma igreja simbólica para milhões de cristãos no mundo inteiro, facilitará o desenvolvimento ulterior das relações entre os povos da Rússia e da Turquia, fortalecendo a paz e a harmonia inter-religiosa”.

Vatican News – TC/RL

06 julho 2020, 14:12