Busca

Vatican News
Encorajados pelo Salmo 33, a Caritas Cuba convida a não esquecer aquele que clama, aquele que está só, que está doente, que está com fome, quem está sem-teto. (Bahia Honda, Província de Artemisa, Cuba) Encorajados pelo Salmo 33, a Caritas Cuba convida a não esquecer aquele que clama, aquele que está só, que está doente, que está com fome, quem está sem-teto. (Bahia Honda, Província de Artemisa, Cuba)  (AFP or licensors)

O chamado da Caritas Cuba para a Coleta Nacional 2020

"O instinto nos leva a todos a encontrar maneiras de mitigar as necessidades pessoais; porém Deus nos pede, a partir do compromisso de fé que assumimos com Ele, que não deixemos de escutar o lamento dos mais desfavorecidos", escrever a Cáritas Cuba, recordando aos católicos da ilha a Coleta Nacional que começa a ser realizada nestes dias em que muitas igrejas reabrem suas portas.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

"Este pobre homem clamou e o Senhor o ouviu" (Sl 33, 7) é o lema da campanha lançada pela Caritas de Cuba em maio passado e que até o mês de agosto quer ressoar no coração dos cubanos que, como no resto do mundo, sofrem as consequências sanitárias e econômicas da pandemia de Covid-19.

"Com um íntimo exercício de fé e entrega ao outro - afirma o comunicado da instituição católica - centenas de milhares de cubanos tiram de suas economias pessoais para ajudar a sustentar nosso trabalho humanitário".

Pandemia de coronavírus, a pior dos últimos cem anos

 

Embora em 2019 as onze dioceses cubanas tenham conseguido arrecadar mais de 10.000 cuc (dólares), para a Coleta anual de 2020 a Caritas Cuba não pede apenas números, mas sobretudo busca “germinar em gestos de acompanhamento diante da solidão e a necessidade dos dias que passam”. Um “novo chamado” marcado por uma “nova realidade”, afirma a nota que descreve a pandemia de coronavírus como “a pior dos últimos cem anos”.

“Nossa nação, como o mundo em geral – lê-se na nota -, vive em tempos difíceis, tempos de profunda privação e colapsos. O instinto nos leva a todos a encontrar maneiras de mitigar as necessidades pessoais; porém Deus nos pede, a partir do compromisso de fé que assumimos com Ele, que não deixemos de escutar o lamento dos mais desfavorecidos".

Encorajados pelo Salmo 33, a Caritas Cuba convida a não esquecer aquele que clama, aquele que está só, que está doente, que está com fome, quem está sem-teto. “Vamos dar uma palavra de amor e encorajamento àqueles que precisam; cozinhemos do nosso pouco para alguém que não tem nada; compartilhemos alguns minutos no telefone com quem mora sozinho e não tem ninguém para contar seus medos; fiquemos na fila para a pessoa mais velha que precisa fazer uma compra.”

Fase 1 para igrejas em Cuba

 

Desde a quinta-feira, 28 de junho, as igrejas de treze das quinze províncias de Cuba passaram para a fase 1 da primeira etapa da recuperação pós-Covid-19, enquanto que em Havana, uma das cidades mais atingidas pelo coronavírus, abriu suas igrejas na sexta-feira, 3 de julho.

Nesse sentido, a Caritas Cuba recorda que em muitas igrejas a oferta dominical dos fiéis é entregue para a Coleta anual, em outras, são distribuídos envelopes para que a pessoa ou a família colabore e o devolva em quatro meses, enquanto algumas comunidades realizam sorteios, pequenas vendas de artigos pessoais ou de produções próprias que depositam em uma caixa colocada na entrada das igrejas.

Compromisso com o próximo

 

A Caritas reafirma contudo, que “são quatro meses em que não se trata apenas de arrecadar dinheiro, mas - e talvez acima de tudo – recordar o nosso compromisso com o próximo e demonstrar o quanto pode ser feito pelo outro quando nos reunimos em alegria do Evangelho".

Uma motivação que Caritas Cuba retira das palavras do Papa Francisco, na convocação para o Dia dos Pobres de 2018: “os pobres nos evangelizam, ajudando-nos a descobrir todos os dias a beleza do Evangelho. Não percamos esta oportunidade de graça”, conclui a declaração.

Vatican News - ATD

04 julho 2020, 07:26